Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Nov 14

O teu corpo radiografado por um louco poema

os teus ossos catalogados e encaixotados em pequenos cubos de vidro

a gaivota amar que voa nos teus seios

e não dorme

e...

e o teu corpo radiografado passeando na seara morta

as tuas coxas pinceladas pela mão do louco poema

e... e os teus ossos descendo a calçada do Adeus

pedindo esmola na rua dos muros amarelos

um vulto faz-se à vida

parte o invisível vidro do carro abandonado

e rouba o louco poema sem pronunciar a palavra “obrigado”,

 

O teu corpo que mergulha na minha mão

em fatiados abutres de madeira prensada

gritam

gritam e não fazem nada...

 

Há uma estória não terminada

uma canção escrita e guardada nas prateleiras da insónia

o teu corpo que chora

e sonha

e habita na minha memória

morta

como a seara deambulando no silêncio enfeitiçado

os ossos em pó

puro pó virgem...

sofrendo nos canos de uma espingarda

sofrendo...

o cansaço da naftalina madrugada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Novembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:35

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO