Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

21
Set 14

Este malfadado trânsito que não me deixa regressar à tua mão,

a chuva miudinha que invento,

e poisa nas tuas pálpebras de gaivota ensonada,

o meu corpo não anda, a noite entra em mim... assim... sem nada,

só,

este malfadado trânsito,

que alimenta a tua saudade,

e a estrada encurvada,

sem candeeiros...

sem... sem madrugada,

que a montanha engole,

que... que a montanha esmaga,

 

Este triste silêncio com mandíbulas de cristal,

a pequenina folha de papel sobre a secretária,

espera-me,

espera-me sem perceber que eu não tenho paciência para ela,

enerva-me,

ela e as palavras,

estas palavras,

… que o sono constrói só para me atormentar,

 

Este malfadado trânsito... infernal,

que da longínqua insónia multiplica o cansaço pela solidão,

subtrai os teus pincelados seios ao amanhecer...

e fico... e fico com as estrelas de papel que tens suspensas nos teus cabelos,

sinto dentro deste corpo vagabundo,

o rio com odor a embriagados sábados...

não sei o significado da paixão,

nem do imundo colorido sorriso do amor,

não sei... não quero saber,

porque caem as árvores mais belas do meu jardim,

porque choram as rosas mais belas do meu jardim...

este malfadado trânsito... é um sofrimento sem fim.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 21 de Setembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:46

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO