Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O regresso

Francisco Luís Fontinha 11 Fev 18

Que seja hoje o teu último dia na minha mão.

Este meu corpo cansado das Avenidas embarcadas,

Quando junto ao rio uma nuvem de noite me absorve, alimenta e mata.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último momento,                                        

Nas palavras assassinadas da madrugada,

O cão,

O cão que vive nesta casa e se alicerça aos corredores a preto-e-branco,

Sem nada,

Sema nada.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último suspiro,

Nos meus lábios embainhados de serpentes…

 

Não mentes,

 

Do regresso,

 

Onde tudo sentes.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11 de Fevereiro de 2018

Sobre o autor

foto do autor

Feedback