Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cachimbo de Água

MENU

O transeunte

Francisco Luís Fontinha 4 Ago 14

Saber amar-te… é não perceber a razão de existir,

É mais fácil resolver uma equação diferencial… do que saber amar-te,

Escrever-te sabendo que nada lês do que escrevo,

Porque não tens tempo, porque pertences ao grupo que me apelida de louco…

Um coitadinho, um coitadinho que se julga poeta,

Pois eu não sou poeta, pois eu não sou escritor,

Pois eu… ai como eu gostava de saber amar-te…

Eu não sou artista, não sou nada,

Sou um que vagueia nas ruas inventadas por um louco igual a mim,

Julgava que era porta,

Dizia-se escritor, artista…

E… e morreu num banco de jardim,

 

Como eu vou morrer,

 

Saber amar-te sabendo que o amor é um círculo de luz,

Um espelho sombreado quando desce a noite sobre os teus seios,

Saber amar-te eu gostava, esforço-me… mas… mas a vida é uma vaidade,

E o amar… e o amar pertence ao amava,

Esforço-me, esforço-me como se eu fosse um rio abraçado ao mar,

Enrolados, todos nós, eu o rio e o mar… enrolados ao teu sorriso,

E no entanto,

Não sei amar-te,

Nem por palavras,

Nem por desenhos…

E eu, e eu que não sou poeta,

Nem artista… como vou morrer,

 

Morrendo… sem o saber; amar-te!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

Inserir comentário

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback