Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

06
Dez 16

Todas as palavras voam sobre o mar,

Há-de haver uma gaivota em desejo

Nos vulcões suspensos do prazer,

O fingimento da madrugada

Quando a pobreza habita um corpo cansado de viver…

Há-de haver uma calçada

Nos meandros do beijo,

Uma palavra para escrever

Em cada olhar viciado na cobardia,

Em cada olhar disfarçado de lágrimas solares,

Em cada ensejo

Todas as palavras voam…

Todos os mares correm

E morrem,

Nos corredores em silêncio azulejo,

A cada dia,

Todas as palavras,

Morrem,

Morrem depois do amanhecer,

E na escuridão do ser,

E na mão do ter…

Resta esta árvore de sofrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

06/12/16

publicado por Francisco Luís Fontinha às 17:25

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO