Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

05
Abr 15

Onze horas

Na terra nocturna da solidão

Recordo o perfume das tuas palavras

Escondidas num subscrito

Desenhos

Os corações

Amo-te

Nunca te esquecerei…

E todos nós somos esquecidos

Quando acorda o dia

Quando se extingue a luz do sofrimento

Onze horas

 

Na terra

Nocturna

Em solidão

Voo sobre as árvores

Os pássaros

E os peixes

Da tua cidade

Os corações de luz

Sorriam

No subscrito perfumado

Parvoíces

Nocturnas

 

Entre lençóis

E pedaços de medo

A infidelidade

À janela

O Tejo mergulhado numa fina cortina de prata

Onze horas

Partem os barcos para os teus lábios

Os marinheiros

Onze horas

Embriagados nas tuas coxas

Como aranhas

Numa caixa em vidro

 

Sinto

Entre os lençóis

Os tentáculos corpos das pálpebras de linho

O amargo fim

O abraço

Em laço

A Torre de Belém

Sem ninguém

Eu

E só

Trazia-te na algibeira do Adeus

Como trazia um molho de chaves

 

Sem fechadura

A porta do teu peito

Com grades de incenso

Dormindo numa caixinha em madeira

O cheiro

Perfumado

Das tuas cartas

A Torre e a ponte

Camufladas pelas carícias do medo

A mão

Na tua mão

O poema

 

No teu poema

A rosa

Dentro do livro

Ansiosa

Que seja dia

Nesta casa

Às onze horas

Da noite

Da manhã

De ontem

De hoje…de.. de amanhã.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 5 de Abril de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:18

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23

27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO