Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

23
Ago 15

Inventaram este suicídio para me acorrentarem aos muros invisíveis da alma,

Trouxe da vida as palavras e a noite,

Trouxe da noite

A luz incandescente dos corpos suspensos na alvorada,

Não tenho medo da solidão,

Nem medo de sofrer,

Não tenho medo da fogueira madrugada…

Brincando na minha mão,

Acaricio-te o rosto envenenado pela dor,

Inventaram-me este suicídio para me roubarem o sono

E as montras iluminadas da cidade,

Caminho abraçado ao vento…

Caminho procurando as montanhas sonolentas da paixão

Que só tu sabes onde se escondem,

Que só tu sabes o seu nome,

Inventaram-me este suicídio para me acorrentarem aos muros invisíveis da alma,

Vestiram-me de mendigo,

Venderam-me na “Feira da Ladra”…

E hoje pareço o luar alimentado pela tristeza,

E hoje pareço um amontoado de ossos envergonhados

Esperando o varredor nocturno do silêncio,

Esta cadeira onde te sentavas…

Parece um rochedo recheado de lágrimas,

Uma praia encalhada nas tardes de papel celofane

Onde apenas tu brincavas,

E da noite…

Trouxe também o embriagado olhar com que me olhavas.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 23 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:31

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO