Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

28
Dez 14

Os poemas ao fim da tarde

este mesquinho silêncio

quando entra pela janela

e lá fora

um barco em espera

esquelético

cansado

farto do mar...

os poemas ao fim da tarde

com fome de matar

a voz do teu clitóris em tristes soluços na madrugada

os poemas ao fim da tarde... são poemas de nada,

poemas... poemas de amar

o estranho invisível quadrado com sorriso de vidro

há nas palavras a força da revolta

o corpo em lágrimas

que só a cidade...

que só a cidade consegue absorver

os poemas ao fim da tarde

o vento de sémen contra uma árvore

e os pássaros dos teus cabelos

brincando na seara

entre pedras e enxadas

sempre... sempre, sempre que um relógio acorda... e ninguém sabes onde habitam “os poemas ao fim da tarde”.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 28 de Dezembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:01

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO