Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cachimbo de Água

MENU

Pássaros de aço

Francisco Luís Fontinha 11 Jun 14

Deixei de sonhar,

a vida entranha-se nos meus ossos tridimensionalmente aos soluços,

e eu, às vezes, percebia que havia uma parábola no meu olhar,

comecei a despedaçar imagens, comecei a desperdiçar curvas, quadrados e triângulos,

os sonhos iam desaparecendo, como a chuva, aos poucos, misturada com finíssimos raios de sol,

e em vez de sonhar,

comprava num quiosque das redondezas algumas gramas de noite,

pensava eu que era o esqueleto de verniz mais feliz da minha cidade,

não o era,

e... e nunca o fui,

depois regressaram aqueles malditos pássaros de aço,

tão esfomeados que, que comecei a trocar os poucos beijos que me sobejaram por andorinhas de papel,

 

(batem à porta)

 

É o meu vizinho a queixar-se que os meus sonhos não o deixam adormecer,

respondo-lhe que..., que eu não sonho,

que... que há muito deixei de sonhar,

escrever,

e amar,

 

(o tipo ateima que sim, que são os meus sonhos,

canso-me...

e mando-o foder com todas as letras...)

 

São tristes os candeeiros da minha rua,

não respondem às minhas questões e anseios,

ignoram-me...

e quantas vezes... nem servem para me iluminarem,

abaixo os candeeiros da minha rua,

a minha rua...

e esta estonteante cidade,

a que pertenço e que me engole a cada milímetro de solidão,

 

(batem à porta)

 

(o tipo ateima que sim, que são os meus sonhos,

canso-me...

e mando-o foder com todas as letras...)

 

Deixei de sonhar,

deixei de ver as sanzalas iluminadas pelo doce luar,

deixei de ouvir o melódico som dos mabecos,

e da espuma brilhante do mar do Mussulo,

dois ou três caixotes em madeira apodrecida,

e apenas uma pequena caixa de sapatos com um, com... com dois, talvez três sonhos,

um avião telecomandado,

e livros do meu pai,

um par de calções,

e... e alguns tarecos,

e os sonhos?

Deixei de sonhar e voava, e voava quando calçava as minhas sandálias de couro...

 

(batem à porta)

 

É o carteiro!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 11 de Junho de 2014

2 comentários

De angela caboz a 12.06.2014 às 09:35

Olá Bom Dia,


lindissimo...adorei
mas nunca deixe de sonhar...os sonhos comandam a nossa vida em todos os sentidos ....sonhar é dos nossos sentimentos preferidos


beijinhos

De Francisco Luís Fontinha a 12.06.2014 às 18:01

Obrigado, ângela caboz.

Beijinhos

Francisco

Comentar post

Sobre o autor

foto do autor

Feedback