Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Pedra de sentar

Francisco Luís Fontinha 9 Jul 14

Esta pedra de sentar,

o sonho quando se apaga e voa sem que ninguém o consiga alcançar,

esta poeira cristalina sem encontrar o mar,

este verso prisioneiro da maré, pontapeando a sombra do sono,

uma cama me grita, e eu, eu obedeço,

me deito, adormeço,

esta pedra de sentar,

alucinada como os botões de rosa de odor a madrugada,

este meu corpo acorrentado ao velho Cacilheiro,

correndo, andando, estropiando o Tejo envergonhado,

este meu olhar cerrado,

como nuvens de papel, como algodão doce na mão de uma criança...

 

Pedra de sentar,

 

Esta pedra de sentar,

disfarçada...

disfarçada de amar,

 

A morte alicerça-se-lhe e ele acredita na pedra de sentar,

vai à janela... sem se levantar,

das árvores que observa, há uma que lhe acena, e o cumprimenta,

come uma sopa, e... e ela, o alimenta,

ele acredita que no próximo amanhecer, uma gaivota o vai visitar,

então, ele, fica esperando na pedra de sentar,

como um rio, ou... ou como um mendigo saboreando a noite,

vai às putas, e esquece-se de regressar...

 

Esta pedra de sentar...

deprimente sobre a pele encaracolada da tempestade,

ele, ele não sabe que do outro lado do rio, há uma cidade,

ele, ele não sabe que do outro lado da cidade, há um esconderijo,

um jardim empedrado, e que na lapela usa um lenço colorido,

detesta todas as gravatas,

detesta todos os lençóis com o aroma a cansaço,

detesta um simples abraço,

esta pedra de sentar,

irrita-me, e até parece um esqueleto com pernas de chocolate,

com olhos de solidão...

esperando, esperando... esperando a alegria acordar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 9 de Julho de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback