Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cachimbo de Água

MENU

Porta encerrada

Francisco Luís Fontinha 12 Mar 17

Há sempre uma porta encerrada

Nos fragosos lábios da madrugada

Uma canção desesperada

Ou um poema envenenado pela alvorada…

 

Sinto o peso do corpo nas lápides do xisto amanhecer

Que uma enxada revoltada consegue levantar

E nas palavras ficam o ser

O ser amaldiçoado do mar

E o amar?

Uma jangada que levita sobre as montanhas de brincar

E só uma criança sabe desenhar

Sobre a fina areia do sonho despertar

Depois o sono que aparece na janela do sofrimento

Como palmadinhas secretas de vento

Contra o meu olhar desonesto e profano

Há sempre uma porta encerrada

Ou um veneno…

Há sempre nos fragosos lábios de incenso

Uma porcelana palavra em lágrimas

Que morrem no livro sagrado

Amado

Desamado…

Alimento-me do teu sorriso leviano

Que numa qualquer página de jornal adormece

E esquece

O significado alterno do amor secreto…

O dia que não morre mais nas minhas mãos de silício

E do silêncio o suicídio anunciado

Uma faca apontada à minha sombra enfeitada de farrapos

Trapos

E velharias tantas… que esqueço o lençol do luar

Nas avenidas nuas desta cidade endiabrada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

12/03/17

Inserir comentário

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback