Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Mar 17

Há sempre uma porta encerrada

Nos fragosos lábios da madrugada

Uma canção desesperada

Ou um poema envenenado pela alvorada…

 

Sinto o peso do corpo nas lápides do xisto amanhecer

Que uma enxada revoltada consegue levantar

E nas palavras ficam o ser

O ser amaldiçoado do mar

E o amar?

Uma jangada que levita sobre as montanhas de brincar

E só uma criança sabe desenhar

Sobre a fina areia do sonho despertar

Depois o sono que aparece na janela do sofrimento

Como palmadinhas secretas de vento

Contra o meu olhar desonesto e profano

Há sempre uma porta encerrada

Ou um veneno…

Há sempre nos fragosos lábios de incenso

Uma porcelana palavra em lágrimas

Que morrem no livro sagrado

Amado

Desamado…

Alimento-me do teu sorriso leviano

Que numa qualquer página de jornal adormece

E esquece

O significado alterno do amor secreto…

O dia que não morre mais nas minhas mãos de silício

E do silêncio o suicídio anunciado

Uma faca apontada à minha sombra enfeitada de farrapos

Trapos

E velharias tantas… que esqueço o lençol do luar

Nas avenidas nuas desta cidade endiabrada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

12/03/17

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:22

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
17

22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO