Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Jul 20

116133386_3811182805565824_8074717458220090878_o.j

Suicídio. Acrílico s/tela 50x70. Francisco Luís Fontinha

 

Sem tempo, esta escuridão de azoto,

Descendo nas borbulhas do sono,

E, meu amor, a tristeza quando a partida,

Às vezes complexa, de um olhar, talvez cansado,

Começa a desenhar-se no sorriso de uma esfera.

Uma caixa de vidro, uma janela em pedra,

Uma lágrima entre sorrisos e nuvens,

Vem a nós o corpo circunflexo da insónia,

E, nos teus seios, a alvorada envenenada pela escuridão.

Desenham em traços de água, o sono dos justos,

Os emagrecidos amanheceres da palavra escrita.

Sem tempo, meu amor,

Para dormir debaixo das árvores,

E dos silêncios da morte;

É tão triste, a morte, meu amor,

Quando morre o livro,

Quando é assassinada a palavra,

E uma nuvem de fumo educada,

Deita-se solenemente na manhã a despertar.

Sei que há dias tristes, muito tristes e, aqueles, menos tristes, mas felizes,

Onde brincam criancinhas vestidas de pano,

Amarrotado,

Pequena folha em papel que arde na sanzala,

Basta um sorriso,

Uma pequena lágrima,

Para nascer em ti o poema prometido.

Sem tempo, amor,

Sem tempo neste corredor de sonhos.

 

 

Francisco Luís Fontinha

25/07/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:13

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO