Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

29
Jul 11

Este é o último poema da minha vida

As finíssimas palavras em espera

Sobre a copa das árvores

Odeio-te diz-me o poema

E eu fico feliz ao perceber

Que o poema deixará de me pertencer,

 

As palavras morrem dentro de mim

Como as gaivotas quando as nuvens emergem na água

E um soslaio de energia mecânica adormece

Os êmbolos da tarde,

 

O papel emagrece e em sombras

Absorve as palavras que me odeiam…

 

Não sei se hoje é o meu último dia de vida

Mas tenho a certeza que este é o meu último poema,

Todos os outros são meus e pertencem-me…

Mas este deixará de ter vida

De ser meu

Este poema é um fantasma

O esqueleto que dentro de mim habita

E desfalece na claridade da manhã,

 

A janela da biblioteca encosta-se nos livros doentes

E cansados da minha presença…

E um finíssimos sorriso de pássaros

Plantam-se no meu quintal,

 

O poema funde-se no cansaço dos dias

E renasce na alvorada em cinzas

O meu corpo e o poema beijam-se…

E da janela olho um barco cansado que se afunda,

 

O mar engole-o

E mais tarde quando vem a noite

Eu e o poema à procura de abrigo

No fundo do mar…

publicado por Francisco Luís Fontinha às 11:53

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Último poema

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO