Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Ago 14

O vociferar do teu corpo de anémona-do-mar doirada,

sinto-o nos meus dedos, ele entrega-se às minhas mãos,

desvairado, aparece-me o silêncio mais longo da noite,

não há estrelas que adormeçam a tua pele...

se eu pudesse.... se eu pudesse embrulhava-te no meu olhar,

acendia a lareira dos meus braços...

e... e ficávamos prisioneiros a um livro,

líamos, líamos... líamos até que os cortinados do nosso quarto vomitassem os gemidos de granito dos orgasmos envenenados...

 

E o livro, e o livro ardia,

e a tua pele... e a tua pele... ardia,

 

O vociferar do teu corpo incandescente,

descendo a Calçada da Ajuda...

levavas contigo o rio,

e... e todas as gaivotas de papel,

 

E o livro, e o livro ardia,

e a tua pele... e a tua pele... ardia

num Domingo de cio,

 

Até que eu sentia o teu corpo de cinza na minha triste algibeira!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 4 de Agosto de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:02

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Anémona-do-mar

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO