Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

18
Mar 11

O azul do céu escoa-se pelas entranhas das portas.

Ao fundo do corredor uma janela

Uma saída para a felicidade,

Milímetro a milímetro a luz natural das coisas

 

Despede-se na noite,

E do meu corpo crescem abelhas.

Tenho um espelho no meu quarto

Com cinco esquinas diferentes,

 

Com três sombras desenhadas.

O azul do céu escoa-se pelas entranhas das portas

E as portas ceradas,

E no corredor passeia uma gaivota

 

À procura do silêncio da lua,

Preciso de me esconder pelas frestas da solidão

E as frestas cerradas,

E das portas, também elas cerradas,

 

Os gerânios

Que se ajoelham aos meus pés,

Nada tenho para lhes dar…

Apenas lhes dizer (- também estou só!).

 

 

 

Luís Fontinha

18 de Março de 2011

Alijó/Portugal

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:03

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

As portas cerradas

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO