Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

15
Abr 19

Flor do meu jardim,

Palavras do meu verso,

Página do meu livro,

Vento que amachuca o meu corpo,

E folheia o livro que és tu…

Nuvem minha paixão,

Tempestade do deserto,

Pôr-do-Sol do meu sonhar,

Nos finais de tarde junto ao mar.

Papel onde escrevo,

Retracto do meu espelho…

Flor do meu jardim,

Nas noites de desassossego.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

15/04/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:57

24
Fev 19

Lembro-me de ti.

Juntos ao rio das pedras cinzentas,

A aragem do teu cabelo saltitando entre as gaivotas,

Murmuravas as palavras do destino,

Sentada, junto a mim, uma rosa no peito adormecia,

E os teus olhos cor de amêndoa voavam na paisagem…

Lembro-me de ti.

Sentada.

Presos na minha mão todos os guindastes da insónia,

O medo,

No silêncio…

Sentada,

Junto a mim.

Lembro-me de ti,

E dos teus suspiros velejados pelos livros de poesia,

Unificados sejam todos os fins de tarde,

Quando pegava na tua mão e desenhava nela o sol da madrugada,

Junto ao mar,

A jangada,

O poema embriagado,

Só,

Junto a ti,

Sentada,

Junto ao rio…

Lembro-me de ti.

Todas as ervas daninhas embriagando os teus lábios de seda,

Desenhava o beijo no teu olhar, olhavas-me, criavas um sorriso na tarde, e descobríamos as tempestades da noite,

Tu, sentavas-te, no meu colo,

O medo,

O medo de amar-te sabendo que o amor é o mar enraivecido nos dias ímpares,

A jangada,

Junto a ti,

Sentada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

24/02/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:11

23
Fev 19

Francisco Luís Fontinha, Poeta, Nasceu em Luanda, perdido na infância, ainda hoje não foi encontrado.

 

A pedra

 

 

Que me sento.

Folheio a tua boca no silêncio do capim,

As ruas dentadas no sonâmbulo entardecer, desce o beijo, poisa na minha mão e dorme lentamente na fogueira da noite,

Me canso.

Que me sento.

Na pedra emagrecida dos teus lábios, dizem-me em gritos de fumo que não amas…

Nunca saberás o que é o amor.

Amanhã.

As palavras rasuradas dos meus textos incompreendidos, falsas estrelas povoam a madrugada, olhas-me, e foges para as montanhas.

Sou tão feliz, meu amor, por saber que nunca me amarás,

O amor é como o mar, olha-se, toca-se, e desparece na Calçada da Cidade.

Que me sento.

Que beijo loucamente esta pedra, que me sento, e canso…

As bocas da noite.

Os holofotes da miséria correndo até ao rio, ao longe um petroleiro de poemas encalhado no teu cabelo, sinto os teus olhos e perco-me na tua sombra,

Que me sento,

Nesta pedra,

E me canso.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23/02/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:49

05
Ago 18

Que sítio é este, onde me trazias lágrimas e palavras,

Ao final do dia,

Quando o meu corpo sentia,

A saudade desorganizada da fantasia,

Que corpo é este, onde me alimentavas a poesia,

E ao nascer do dia,

Uma gaivota apaixonada,

Me dizia…

Amanhã não serás nada,

 

Que amor é este, que trazes na lapela,

E afoguentas o Verão…

São palavras, senhora,

São vírgulas envenenadas pelo vento,

Que vem e vão…

 

Que silêncio é este, menina das tardes perdidas…

 

Entre rochedos e riachos, entre parêntesis e lâminas de incenso,

E lágrimas vendidas,

Numa qualquer feira, numa qualquer cidade,

Incendiada pelos teus seios, numa qualquer madrugada,

 

E searas.

 

Que triste, meu amor, as amoras selvagens,

Dormindo nos caminhos pedestres,

Descendo até ao rio…

Setadas na penumbra liberdade,

De um beijo amaldiçoado…

Na triste saudade,

 

Que sítio é este, meu amor desgovernado, triste e cansado…

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 05/08/2018

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:16

21
Mar 18

(21 de Março, dia Mundial da Poesia)

 

 

 

Tão singela a porcelana do teu rosto,

Boneca de trapos, entre livros e plátanos,

Entre farrapos e palavras adormecidas,

Que só o vento sabe esquecer.

Tão magras as tuas mãos sapientes,

Quando tocam a minha face de xisto,

Grito, grito…

Existo!

Tão melódica a tua voz de cantadeira,

Quando o mar sobe a calçada,

E traz no ventre a despedida,

Triste, amargurada.

Dentro do parêntesis da madrugada,

A simplicidade do teu sorriso,

Tão simples o teu desejo,

Quando o beijo, enraivecido, se abraça à noite,

Tão simples o teu cansaço,

Nesta terra de ninguém,

Alguém,

Quase nada,

Perdido no espaço.

Tão singela a porcelana do teu rosto,

Quando a alegria parte, morre…

E poisas eternamente numa fotografia.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 21 de Março de 2018

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:17

10
Mar 16

Caminho apressadamente
Para os teus braços invisíveis
Regressa a Primavera e depois o Verão
E nós sem amanhecer
Nem vontade
De desenhar a alvorada no chão…
O teu corpo sente
O meu corpo mente
Velozmente
As palavras de escrever
Caminho apressadamente
Com vontade de te ver
Sentir em mim o sentir
No brincar das tuas mãos em liberdade
Com o poema de sorrir…
Caminho
Caminho apressadamente
Como um livro a fugir
Da fogueira do adeus
E do vento
E da chuva
E do beijo a cair
Sobre os lençóis da madrugada
A penumbra espuma
Saltitando à janela
Sem bruma
Nem desejo que segure nela…

Francisco Luís Fontinha
quinta-feira, 10 de Março de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:27

23
Dez 15

O desejado silêncio

Deitado no obscuro beijo

No centro do círculo da solidão,

A cidade ainda dorme,

Provavelmente acordará sem perceber que o amor está acorrentado aos rochedos da montanha do “adeus”,

Não importa,

Deixá-lo estar até que a noite caia

E se erga a escuridão ao pescoço da morte,

Batem à porta,

Certamente não é o carteiro…

Porque durante a noite não recebo cartas tuas,

Será o desejado silêncio

Deitado no obscuro beijo

No centro do círculo da solidão?

O cubo junto ao mar,

O raio da circunferência quase a desfalecer…

E a maldita cidade

Dorme,

Abstrai-se do meu corpo

Como todas as figuras geométricas clandestinas do meu caderno quadriculado,

A janela encerrada desde a tua partida,

Os livros em finíssimas fatias de melancolia esperando o teu regresso,

E os papéis escritos…

No cesto triangular onde guardo os poemas perdidos,

E ninguém, e ninguém disponível para assassinar a tristeza

Que habita esta casa…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

quarta-feira, 23 de Dezembro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:44

21
Dez 15

Os teus lábios são doces de amêndoa sibilado

Em translação à volta do desejo

Nos teus lábios nasce o beijo

Do corpo degolado,

Há palavras infinitas que só a tua boca conhece

Madrugadas famintas das janelas cremadas

O poeta nunca esquece

As tuas mãos em mim alicerçadas,

Os teus lábios são doces de amêndoa sibilado

Galgando a montanha do silêncio anoitecer

Os teus lábios, meu amor, são pergaminho cansado

De tanto eu nele escrever…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

segunda-feira, 21 de Dezembro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:15

01
Out 15

Vagueio no teu corpo como se eu fosse um mendigo

Em busca de pão,

Paz

E desejo da liberdade,

Quando regressa a noite ao teu olhar

Todas as estrelas se suicidam no teu sorriso,

E as minhas palavras ardem nos teus lábios…

Vagabundo e apaixonado,

Mendigo e iletrado,

Pássaro,

Avião,

É tudo o que eu sou… em busca de pão…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 1 de Outubro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:26

23
Mar 15

Os dias nefastos da melancolia

a palavra envenenada

na boca de uma caneta

triste

e só

o círculo do desejo

desenhado na ardósia noite do sonâmbulo beijo

os dias

do enforcado movimento pendular

contra a janela do meu quarto

as sombras

brincam nas almofadas da solidão

 

dás-me um beijo

e partes

como uma imagem

ao despedir-se e o vento a leva

sem perceber

que a morte

é o fim da fotografia

negra

encurralada nas ruelas do abismo

demoro-me

e negra

quando acordam os silêncios da Primavera...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 23 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:49

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO