Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

14
Abr 11

Quem sou eu que tinha um boneco chamado chapelhudo, que com um martelo, fingindo que arranjava, passava a tarde inteira a bater no triciclo, e a minha avó, que estás a fazer menino, o menino está a arranjar, e pumba, pumba… até os ferros começarem a chorar, e eu, quem sou eu, esquecido nas horas, despreocupado do tempo, apenas sabia que o dia acordava e depois, começava a adormecer, e ao outro dia, novamente dia, luz, vinha a chuva, eu, irritado, depois, sol, depois noite. Quem sou eu que só me lembrava do chapelhudo quando a minha avó penteava as folhas das mangueiras desarrumadas pelo quintal, e ao fundo da rua, a estrada para o Grafanil, veículos militares em marcha lenta, cansados da guerra, e eu, quem sou eu, que ao portão passava horas, não sabia contar os carros, e depois, perdia-me, quem sou eu que só sabia que eram muitos…

 

 

(ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 10:45

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO