Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

09
Jan 15

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

Entras-me em casa

e aposentas-te nos meus braços

escrevo palavras nos teus olhos

vagueio sobriamente nos teus seios

entras-me em carta como se fosses uma carta

lembras-te?

daquelas onde desenhavas corações

flores

e eu?

círculos e quadrados,

equações,

a cidade arde no sexo desejado

o amor alicerça-se à sombra do teu corpo

e eu?

um acorrentado,

morto.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:45

29
Mai 14

Dizem-me que o teu corpo era de porcelana,

um amontoado de cacos, pedaços sem coração,

procuro..., procuro, procuro...

não os encontro na cama,

não os encontro nos telhados de zinco da sanzala envenenada,

e no entanto,

amo-os,

amo-os como se fossem uma jarra com dois braços de Luar...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 29 de Maio de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:51

09
Jul 11

São precisos mil braços

Para erguer o meu corpo do chão

E apenas dois abraços

Alimentam o meu coração,

 

Dois beijos para caminhar

E um sorriso para viver

Uma boca para eu beijar

E um corpo para escrever,

 

Mãos para me acariciar

Quando a noite desce da montanha fria e escura

E o rio não corre para o mar,

 

São precisos mil braços

E muita ternura

Para cessar os meus cansaços.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:30

11
Mai 11

A seiva dos meus braços

Esgota-se na maré

Baixa a cabeça junto à areia…

E quando amanhece

 

Não seiva

Não braços

Nada ficou depois da tempestade

E quando amanhece

 

Procuro a seiva dos meus braços

A força do meu peito

E canso-me de procurar…

E procuro nas paredes do buraco

 

Qualquer coisa onde me agarrar

Mas a seiva escorre pelas entranhas da terra

Desaparece na maré

Foge dos meus braços.

 

 

Luís Fontinha

11 de Maio de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:52

25
Abr 11

 

 

Corre em mim o rio da saudade

Entre montanhas de néon

Corre corre o rio onde deixei as minhas lágrimas

E hoje passeiam as gaivotas em liberdade

 

Corre em mim o rio onde me sentava

E ao longe vinha o pôr-do-sol

E em mim os dedos aflitos com o cigarro

E em mim o rio se entranhava

 

Submergia-me junto à torre…

E eu sonhava

Corre em mim o rio da saudade

Que ao cair da noite me aparece

 

E me deseja bons sonhos

Boa noite

Corre em mim um rio vadio…

E nunca me vai amar

 

E eu amo-o desde que me dentei nos seus braços

Entre montanhas de néon

Corre em mim o rio da saudade

Corre corre o rio junto à calçada.

 

 

FLRF

25 de Abril de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:03

Abraça-me sem medo do vento

E poisa as tuas mãos nos meus olhos

Vendados pelo sofrimento

Abraça-me

 

Enquanto a tempestade não passa

E nas ruas correrem as sombras dos teus braços

Abraça-me apertadamente

Como não existissem cordas ou laços

 

Que prendem o meu corpo em flor

Apressadamente correndo os trilhos da saudade

Abraça-me sem medo do vento

Ou tempestade.

 

 

FLRF

25 de Abril de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 11:18

19
Abr 11

Abri a janela e a chuva rompia pelas amoreiras, os pássaros suspensos numa manhã de primavera, e dentro de mim a angustia dos teus braços quando ao fim da tarde me esperam junto ao rio, o vento bate nos teus cabelos, e no teu sorriso a finíssima neblina entre os olhares do néon que aos poucos acorda nos olhos de um veleiro, sento-me sobre uma pedra esquecida pela madrugada, puxo do silêncio do meu pensamento, e perguntam-me, e pergunto-me, qual o sitio mais longínquo onde estive,

- decididamente os teus braços!

 

 

Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:35

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO