Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

13
Jan 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Nas pálpebras do silêncio um fino fio de tristeza,

mergulha, insemina e cresce como pétalas cinzentas,

corre na límpida água fresca dos seios encastrados na montanha do desejo,

morrem todas as palavras terminadas em OR,

morrem as nuvens de chocolate e os sinos ásperos do sofrimento...

 

Ouvem-se-lhes nas migalhas do dúctil granito as mágoas de um final de tarde,

sem luzes amarelas, sem néons alicerçados à cidade do medo,

ouvem-se-lhes os ditongos gagos nas planícies desnorteadas do corpo adormecido,

sem luzes amarelas, sem... nas migalhas do dúctil granito as mágoas... de tarde,

 

A dor veste-se de negro, e o vértice do prazer desalinha-se em relação ao centro da Cárcoda espalhada pela serra da Arada,

lobos uivos distraem-nos como pedaços de vento saltitando de pedra em pedra...

tropeça-se no buraco da nocturna habitação esquecida junto à ribeira,

e... o Inverno, e o Inverno transforma-se em esqueleto apátrida.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 13 de Janeiro de2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:05

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Esqueleto apátrida

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO