Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

01
Set 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Se chove, não a sinto, se chove, se chove... que fará a chuva a um corpo nu, despido, vagueando entre dedos, vagueando entre fotões, electrões, se chove... não a sinto mas oiço-a na minha pele como pequenos pontos de luz, como... como a lua procurando as tuas mãos sabendo ela, que as tuas mãos são um pêndulo, suspensas por um longo fio de nylon e suspenso no tecto da paixão,

Um corpo em repouso, estaticamente só, um corpo longínquo e transformado em ponto de luz, mergulha, e dorme, e alimenta-se das lâminas transparentes dos apitos marinheiros com vista para o mar... um corpo só, suspenso no pêndulo da noite, adormece, sonha, vive, esquece... e saltita como marés cinzentas depois dos velhos suspiros em peixes voando sobre a cidade, este corpo, este pequeno ponto de luz... ele mesmo, a própria cidade, a cidade mergulhada nas camisas madrugadas ornamentadas de pequenas dentadas, e em dentes de marfim, o teu corpo aparece transvasado dentro das minhas tristes mãos, como um vagabundo silencioso perdidamente esquecido nos bolos de chocolate e das fatias laminadas que sobejavam da luz vizinha em arbustos envenenado pela solidão dos finais e tarde, um corpo, o teu, um pequeno ponto de luz, procurando, procurando verdadeiramente o movimento circular uniformemente acelerado, serve-te, este?

Não sou eu que procuro a luz dos teus olhos, mas ela persegue-me, embrulha-se nos meus braços, e não me deixa escrever, às vezes, sinto-a longínqua em redor do meu pescoço, quase não respiro, quase não vivo, e mesmo assim, o teu corpo, minúsculo, o teu corpo transparente das tardes de Setembro... voa, e navega como uma caravela nos lençóis de espuma que o desejo abandona depois de acariciá-lo, depois de...

Não percebi!

Se chove, não a sinto, se chove, se chove... que fará a chuva a um corpo nu, despido, vagueando entre dedos, vagueando entre fotões, electrões, se chove... não a sinto mas oiço-a na minha pele como pequenos pontos de luz, como... imagino-a sobre o piano, imagino-a enrolada ao cortinado carmim da janela da biblioteca, entre mortas personagens e vivas paixões de areia, o mar, nua, sinto-a como a se fosse filha da chuva e mergulhada nas sandálias da manhã por acabar, sinto-a vaguear nas sílabas do meu corpo, e depois

Não percebi, não percebo porque chove em ti,

Depois, qualquer coisa de estranho na tua voz, um simples e medíocre círculo com olhos verdes, e escrevi-o sem saber porque o fiz, ou se vivesse eternamente, acreditava na morte dele depois de o escrever, e não percebi e não percebo que ainda vive em mim e só morrerá quando eu morrer, quando as minhas mãos deixarem de escrever e o espelho

Não percebi...

E o espelho vestido de grená espera-me



(não revisto – Ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 1 de Setembro de 2013

 

P.S.

 

Deixei de ser eu quando a chuva me roubou os sonhos de papel que e guardava religiosamente no meu peito, deixei de ser eu, e mesmo assim, corria devagar para adormecer nos teus braços de aço, âncora mórbida, só, sentada no Cais das Colunas, só como as nuvens quando desciam as escadas dos velhos e rabugentos guindastes e entravam no teu sorriso, embebias-te em algodão e açúcar refinado, e tão finas que eram as noites em ti que deixei de existir, deixei de ser

Eu?

Tu?

Deixamos de viver, de comer, deixamos de correr em volta de um círculo com olhos verdes, ele, vive, ele pertence ao livro ainda não terminado, vive, come, vive e oiço-o diversas vezes nas ranhuras clandestinas dos veleiros invisíveis,

E ainda há quem diga

“A chuva não existe”,

E ainda há quem diga que o teu corpo é de espuma e que os teus olhos são...

Pequenos pontos de luz?

Electrões, fotões, positrões, neutrões, partículas de Deus... e afins, limitada, com sede na rua dos desgostos, número vinte, Lisboa,

E ainda há quem diga que o teu corpo é como a espuma, e desaparece todas as sextas-feiras à meia-noite, rés-do-chão, direito.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:37

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

A chuva não existe

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO