Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Nesta casa

Francisco Luís Fontinha 29 Jul 18

Nesta casa não conheço a tua pessoa,

Nesta casa despede-se a paixão das estrelas sem nome…

Como um relógio abandonado,

 

Nesta casa deixou de haver alegria,

E todas as janelas se transformaram em grandes,

Revoltadas,

Cinzentas,

 

Nesta casa habita a saudade,

Da tua pessoa,

 

Em cada final de tarde,

 

Nesta casa não conheço a tua pessoa,

Apenas sombras de papel suspensas nas paredes,

E um sorriso submerso na minha infância…

 

Em cada dia,

 

Em cada tristeza.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 29/07/18

A casa

Francisco Luís Fontinha 28 Jun 17

A casa desocupada e infestada de bichos marinhos,

Os ninhos do meu quintal estão recheados de pergaminhos,

Palavras soltas,

Palavras mortas,

Vivas palavras rompendo a madrugada,

Sem nada,

O infeliz meu corpo deitado na casa desocupada,

Escrevo no chão,

Minha mão estremece a cada sílaba adormecida,

Vomito poesia sobre a janela envidraçada,

E imagino a louca Calçada…

Ajuda, não ajuda,

O eléctrico dorme na minha cama esganiçada,

O comboio para Cais do Sodré engasga-se em Alcântara Mar,

E o sonâmbulo adormecido descarrilha ao passar pela minha sombra,

Uma tragédia, meu amor,

A casa,

Desocupada e infestada,

De livros,

Quadros,

Esqueletos…

E restos de ossos,

Poeira,

Alvorada fora até ao nascer do Sol,

Bebedeira, o esqueleto cambaleia…

Saltita,

E volta a adormecer no meu peito,

Nada me resta,

Nada tenho para te oferecer, meu amor,

A não ser, a não ser… algumas velhas flores,

Pedres,

Envelhecidas como nós.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 28 de Junho de 2017

O sono

Francisco Luís Fontinha 20 Mar 15

Esta casa em alvorada sinfonia

o som das palavras contra os cubos de xisto

que habitam as montanhas da insónia

o sono

em suspenso

GREVE

hoje

em alvorada sinfonia

esta casa

velha

desabitada

triste e cansada...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 20 de Março de 2015

Esta terra... que amo

Francisco Luís Fontinha 27 Dez 14

Nunca percebi porque choravam os pássaros da minha terra,

nunca entendi porque em determinados momentos...

se abraçavam as árvores da minha terra,

 

desenhava o sol na velha parede da casa que me recebeu,

havia frestas de engano e vidros partidos,

lá fora o frio parecia um rochedo intransponível,

tão alto como a montanha da saudade,

nunca percebi porque era tão fria a minha terra,

esta...

que amo,

mas é tão fria... meu amor...!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 27 de Dezembro de 2014

O trapezista dos silêncios...

Francisco Luís Fontinha 31 Ago 14

Esta casa que não cessa de chorar,

estas janelas com bocas de inferno e línguas de fogo...

para me atormentarem,

me enganam,

me sufocam,

alimentam-me as mãos depois do jantar,

e me tocam,

saciando a sede do rochedo sobre o telhado da saudade,

salpicando de sangue o meu corpo de pano...

esta casa que vi enlouquecer,

onde cresci,

onde morri... morri de sofrer,

 

Esta casa de engano,

estes livros mortos, cansados de viver,

esta casa com paredes de vidro e tecto de colmo...

o circo,

o circo regressa à minha terra,

eu, o palhaço das palavras,

o trapezista dos silêncios...

o que tem esta casa?

que me acorrenta ao soalho emagrecido pelo veneno do sofrimento,

esta casa... esta casa não existe, e eu, o palhaço das palavras...

olho esta casa de frestas e donzelas e crucifixos falsificados,

que o circo transporta nos finados...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 31 de Agosto de 2014

casa da paixão

Francisco Luís Fontinha 4 Mai 14

esta casa sem mãos

esta casa com paredes de papel

esta casa sem janelas

porta de entrada

sem música

ou... palavras,

 

esta casa disfarçada de corpo

o teu corpo vestido de granito

esta casa

este grito,

 

esta casa sem amor

nem luz

nem... nem flores

esta casa vadia

escondida nas árvores do quintal imaginário

coitada desta casa apaixonada

que sofre

que vive...

esta casa

uma casa embrulhada em poesia

esta casa sem paixão...

esta casa... uma casa sem coração.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 4 de Maio de 2014

A casa sou eu

Francisco Luís Fontinha 4 Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Uma casa,

pensava que o teu corpo se ausentava das tardes de Primavera,

uma casa em ruínas cansada das ruas sem saída,

uma casa em solidão, uma casa acorrentada a esqueletos de insónia,

uma casa em desejo, que o desejo se perdeu...

pensa eu,

uma casa só, triste, uma casa que se entranhava nas frestas da madrugada,

uma casa de sorriso cor-de-rosa com flores de papel,

e mesmo assim, tínhamos uma varanda com acesso às estrelas,

sentávamos-nos sobre a mesa granítica da paixão...

e sonhávamos... e, e dormíamos pensava eu,

(pensava que o teu corpo se ausentava das tardes de Primavera),

 

E esta casa sou eu,

um corpo flutuante no Oceano do sofrimento, pinto nos teus olhos... pinto a dor,

e desenho no teu corpo, um outro corpo, um corpo com fatias de xisto para te encobrir as pálpebras dos nocturnos sótãos como melódicas sandálias de prata,

uma casa em forma de homem, uma casa, eu,

pensava,

acreditava que a cidade era linda quando acordava a noite,

descia a calçada, corria em direcção a Cais do Sodré, e via o meu corpo, o meu corpo em formato de casa, desabitada, límpida... com braços entrelaçados no luar,

com corredores mais longos do que a própria morte,

uma casa, esta casa, a casa que sobejou da tempestade,

sentada,

à mesa dispersa nos confinados corações de espuma...

a casa que o meu corpo construiu nas ardósia manhãs que o Inverno levou...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 4 de Março de 2014

Tão linda e tão bela, ela...

Francisco Luís Fontinha 3 Jul 13

foto: A&M ART and Photos

 

Oiça, olhe o que eu lhe digo, está a ouvir-me? Gostava da disposição das mesas, do alinhamento dos talheres, da preciosidade dos prato, uns sobre os outros, fazendo-me recordar as fatias de espuma sobre a crista das ondas, gargalhando como pequenos soluços, ouviam-se horrores transformados em montanhas desavergonhadas, olhávamos os céu, e víamos o cansaço dos anos em pequenas travessuras de crianças, doidos, correndo na peugada de uma sandes de marmelada, ouvíamos, e nada dizíamos, porque éramos pobres, porque éramos melancólicos, porque

Oiça,

E é tão bom, saber que sobre nós, voa uma voz de silêncio, vestida de noite, e ouvir sem perceber porquê... o bater de asas em papel crepe, oiça

Oiça, olhe o que eu lhe digo, está a ouvir-me? Todos loucos, porque os pássaros deixaram de voar, porque as flores nunca mais senti que sorrissem para mim, para os outros é uma coisa... agora, para mim? Eu, o único solitário que lhes pegava com todo o cuidado, acariciava-lhes as pétalas doiradas de olhar envergonhado, eu, eu que me sentava em frente a elas, eu que cruzava os braços, e sorria

Inventava-lhes abraços,

Oiça,

E é

Oiça o que eu lhe digo,

Diz lá, Carlitos,

E é tão bom quando chegamos a casa, abrimos a porta, nada lá dentro, e tudo cá fora, entramos, deixamos as roupas transpiradas no cabide exposto no Hall de entrada, ficar nu, cá dentro nada existe, apenas um espaço vazio, sem vozes, sem livros, e palavras

Oiça o que eu lhe digo,

Diz lá, Carlitos,

E é tão bom, percebermos, que ninguém nos espera, e é tão bom, tão bom, e palavras voando pela janela até desaparecerem entre as roseiras do quintal da Augusta, parecem borboletas vagueando os sonhos do meu corpo desnudo, ósseo, filho de um esqueleto de vidro, finas partículas de areia, um alto-forno a temperaturas elevadíssimas, eu, no centro do forno, borbulhas de azoto, películas de pele levadas pelo vento, panfletos a anunciarem uma greve geral que nunca chegou a acontecer, um dia, de um País que nunca existiu, e morreu dentro do alto-forno... todos lá dentro, o meu esqueleto, a areia, e eles, claro,

Oiça o que eu lhe digo,

Diz lá, Carlitos,

(isto está fodido!)

Isto, isto o quê?

Isto, isto tudo!

Tudo não, porra, porra não, quase tudo, mas nós ainda estamos de boa saúde, pensa Carlitos, pensa que ainda existem pessoas em pior situação do que a nossa

A nossa, qual nossa?

A minha e a tua, porra, porra não, é que...

Oiça o que eu lhe digo,

É que ainda estamos vivos, percebes? E nos tempos que correm... estar vivo é a maior vitória, depois da águia, claro, claro, claro, não porra, porra não, claro, ah...

E é

É o quê?

Tão linda, ela, mais bela que o mar, mais leve que o vento... e voa, voa como as gaivotas, e navega, e navega como os barcos quando entram na barra

Nos teus braços?

E é

É o quê?

Tão linda e tão bela, como ela, como ela quando entra em casa, tudo vazio, as vozes ofegantes das minhas personagens, todas elas, dormem, digamos que

Talvez não durmam todas, mas tenho a certeza que algumas delas, dormem, oiço-as, oiça, olhe o que eu lhe digo, está a ouvir-me? Gostava da disposição das mesas, do alinhamento dos talheres, da preciosidade dos prato, uns sobre os outros, fazendo-me recordar as fatias de espuma sobre a crista das ondas, gargalhando como pequenos soluços, ouviam-se horrores transformados em montanhas desavergonhadas,

Tão linda e tão bela, ela...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Manhãs sem rio

Francisco Luís Fontinha 22 Fev 13

Um compartimento exíguo, aquilo que me define, o que sou, milímetros quadrados de nada, sem janelas, portas ou madrugada,

Do meu soalho, com algumas ranhuras, vê-se o sol, e facilmente se percebe que eu, ou seja, o meu compartimento está invertido, rodado cento e oitenta graus, talvez durante a noite, talvez quando acordou o dia, talvez

As portas sem madrugada,

Ou

Corações sem nada, simples, mistos, entre fios e hastes helicoidais, animais de estimação e um cão, com voz rouca, sofrendo, as mentiras de uma infinita palavra, começada por hoje e terminada em...

Nada,

Ou,

Do meu pobre soalho vejo além do sol, o rio das lágrimas doiradas, vejo também as desorientadas luzes dos dias que construíste sem a minha autorização, rodeaste-me de mentiras e falsidades, de equações do terceiro grau, as incógnitas desapareciam entre o papel quadriculado e o lápis de desenho, e percebi que não tinha jeito para ser engenheiro, nem letrado, nasci para ser um ser desprovido de tudo, eis a única felicidade de mim, não ter, não ser

Nada, madrugada, corações sem nada, sobre os pinheiros iluminados pelo perfume doentio das manhãs sem rio, e o cio?

O que tem o cio?

Tem frio?

Ou, também ele, como eu, um ser desorganizado, indiferente ao perfume com sabor a nafta dos barcos de papel quando atravessam a estrada ziguezagueada das loucas locomotivas que os pássaros deixam cair sobre as cabeças empastadas de laca

E às vezes

Sinto-os,

Sobre mim,

Ou

Também eles, como eu, um ser desorganizado e sem destino à vista, com uma previsão de sucesso de zero vírgula zero zero um por cento, fantástico, fascinante, e descubro que é mais fácil levar com um parafuso de um satélite na cabeça do que acertar na combinação correcta do euro milhões, sobre mim, tudo bem, análises normais, radiografias normais, e tirando a insónia dos teus olhos sempre suspensos no tecto do meu quarto, eu diria que

Sou um ser humano normal, feliz, sucessivamente a tropeçar nas pedras invisíveis que as palavras arrumam dentro dos caixotes de lixo semeados pelas ruas estreitas e largas da cidade com garganta de vidro e um simples olho de diamante lapidado pelas mãos de uma linda e nobre flor,

Estupidamente

O teu Príncipe imperfeito, sem jeito, nem afeito, como os camelos encalhados nas ruelas do deserto, uso um capacete de fibra de vidro para me proteger das possíveis agressões das gaivotas revoltadas com as minhas palavras,

(por isto da escrita nem sempre agradamos a todos, e tenho recebido algumas queixas, poucas, de gaivotas, alguns barcos de recreio e de um livro que vive atormentando-me, veja-se que ele quer passar à frente da lista de espera, quer isto dizer, nada, que a madrugada, existe para me obrigar a sair da cama, e que a noite, existe, para me obrigar a olhar os olhos suspensos da flor linda que alguém inventou para mim),

Gostava de ti e nunca o disse, por algumas flores são como os versos entrelaçados nas rimas com preguiça, enrolam-se nas ervas junto à eira de Carvalhais, e depois, depois descem até conseguirem rodar o meu exíguo compartimento cento e oitenta graus, e através do meu soalho,

O sol é uma miragem, e através dos buracos do soalho consigo com a minha mão acariciar o mar, e as algas com sorriso de amar, porque às vezes, o amor

(Não é só fodido – livro de Miguel Esteves Cardoso)

O amor pode causar danos irreversíveis no seu coração de areia, seu, meu, nosso, o deles,

De todos os corações,

De todas as cores, de papel, plástico ou vinil, todos

Eles,

Encalhados nas profundezas das aranhas com sete patas de alumínio e com asas de casca de amêndoa, dinamicamente nas algibeiras das equações quando as calças de cetim se rompem com a força do vento, depois vem a estática, e as equações parecem beijos moribundos e desenganados pelas ardósias das tardes junto à lareira, e assim

Vai andando sobre rodas, o amor e o desejo de amar,

Como o relógio de bolso, o meu, que me espera sentado na prateleira da minha estante na companhia de alguns livros, cachimbos, e meninas de sorriso loiro,

E confesso

Não me apetece pegar-lhe.

 

(não revisto, ficção)

@Francisco Luís Fontinha

COSTUREIRO OU BAILARINO

Francisco Luís Fontinha 13 Fev 13

A minha casa,

Quatro paredes em cartão, do fino, que é mais chique, não tenho janelas para o mar, porque infelizmente ele vive longe de mim, não tem telhado, felizmente para mim, porque às vezes falta-me o ar e tenho grande dificuldade em respirar, ela, a minha casinha, não tem mobílias luxuosas, e tirando a máquina de costura Singer que herdei de uma bisavó que deve ter mais de setenta anos, talvez mais

Nada a acrescentar, nasci longe e vim de longe, e quando regressar, irei regressar para longe, talvez encontre outra casinha modesta com esta, mas aqui

Não vou ficar mais,

Mas aqui falta-me o mar, os barcos em passeios nocturnos quando terminavam as sessões das duas da madrugada, os cinema recheados de gajos em desejo, às vezes sentiam-se-lhes os gemidos entre as portas de madeira do Hall e a sala de fumo, percebia-se pelo comportamento dos cigarros que havia um perfume de mulher algures nos cortinados das janelas viradas para os telhados adormecidos de uma cidade abandonada, mas lá eu

Tu lá eras feliz, tinhas sonhos, brincavas com personagens invisíveis e desenhavas em todas as paredes da casa, excepto na casa de banho, talvez por ser o único compartimento que quase sempre estava ocupado, passavas tardes intermináveis a construir vestidos para bonecos loucos, pegavas na agulha da tua mãe, nas linhas, e dos tecidos

Lindos vestidos e quando te perguntavam o que querias ser quando fosses grandes, algumas vezes respondias

NADA,

Outras que

QUERO SER COSTUREIRO OU BAILARINO,

E afinal

E afinal não fui uma coisa nem outra, sou um homem descomplexado, pobre, sem palavras, sem ideias, sem o amor vestido de qualquer coisa, de morte

Outras que

QUERO SER COSTUREIRO OU BAILARINO,

E

E afinal vivo numa casa com quatro paredes em cartão, do fino, que é mais chique, não tenho janelas para o mar, porque infelizmente ele vive longe de mim, não tem telhado, felizmente para mim, porque às vezes falta-me o ar e tenho grande dificuldade em respirar, ela, a minha casinha, não tem mobílias luxuosas, e tirando a máquina de costura Singer que herdei de uma bisavó que deve ter mais de setenta anos, talvez mais

Outras?

E

E ainda acredito nos olhos disfarçados em poemas, e ainda acredito nos lábios com tonalidade de sílabas adormecidas, como as rochas do amor, como os orifícios das portas com vista para um corredor comprido, fino e escuro, onde

Brincam

Onde e

Barcas vestidas de barcos com âncoras de aço e correntes em oiro, às vezes oiço-os masturbarem-se no tecto embaciado do Domingo de prata, e do calendário ordinário com gajas nuas que o sapateiro suspende todos os anos desde que começou a trabalhar

Murcham as palavras do amor proibido, cansado do azul sobre os joelhos com rosas amarelas, vestias-te de cinzento para te confundirem com os candeeiros de silício amargurado que caem nas noites de celibato, e os homens aproveitavam-se das tuas mãos para roubarem o telhado da minha pobre casinha,

A trabalhar um pedaço de sola como o pão duro das sobras que durante a noite dormem nos caixotes de luxo, e que muita gente teima em apelidar de lixo, duro, robusto, sapatos de luxo para exportação, e quem sabe

NADA,

Outras que

QUERO SER COSTUREIRO OU BAILARINO,

E afinal

E afinal não fui uma coisa nem outra, sou um homem descomplexado, pobre, sem palavras, sem ideias, sem o amor vestido de qualquer coisa, de morte

Outras que

QUERO SER COSTUREIRO OU BAILARINO,

De fatias de pão nasçam sapatos de luxo...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Sobre o autor

foto do autor

Feedback