Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

A embriaguez nocturna das sementes

Francisco Luís Fontinha 9 Mai 16

O desgosto da vida.

Sinto a chuva explorando o meu débil corpo,

Que a noite alimenta

Como a morte se alimenta dos corpos,

Há uma película de sémen alicerçada às tuas mãos

De pergaminho,

As palavras fogem-me e sinto-me um inútil desgovernado…

Um barco sem comandante.

O deserto de ser eu,

A areia fina das tuas lágrimas entrelaçadas nos meus dedos,

O silêncio, meu amor,

O silêncio que confunde o horário do meu pulso,

E mais logo se inverte na escuridão,

Sei que estou aqui de passagem,

Ando de rua em rua para te recolher e agasalhar no meu peito…

Mas é-me difícil encontrar-te,

A embriaguez nocturna das sementes nas profundezas da terra,

Tão fundas, meu amor, e tão belas, meu amor,

Estremeço se te encontrar,

Morro de aflição pela tua ausência…

No suicídio do poema.

O desgosto da vida, o corpo despovoado de ossos e pequenos répteis…

Tenho uma cobra abraçada ao meu pescoço,

Um ténue letreiro onde alguém escreveu… FIM.

Não tenho amigos, amigas,

Tenho livros assassinados por mim,

De noite olho todo este amontoado de cadáveres envenenados pela paixão,

E tu, meu amor, e tu sempre ausente deste cemitério de palavras e desenhos,

Apenas eu, meu amor, apenas eu olho para eles…

E vejo o meu rosto sofrido.

O desgosto da vida,

A vida nas pedras húmidas da manhã

Quando a chuva se estende até ao mar,

A penumbra madrugada

No esconderijo do sono,

As minhas mãos, meu amor, abstractas, e não dou conta da vida se escoar em direcção ao Luar,

O segredo que faz com que eu não te encontre,

Percorro esta rua,

Percorro aquela rua,

Com saída,

Sem saída…

E tu, meu amor, sempre no desgosto da vida.

 

Francisco Luís Fontinha

segunda-feira, 9 de Maio de 2016

Sobre o autor

foto do autor

Feedback