Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Mar 11

O meu cão em gemidos dia e noite, o meu cão chora, o meu cão apaixonado pela cadela da vizinha, e a cadela da vizinha indiferente ao seu chamamento, não quer saber, e eu, eu também não; que se desenrasque, que se faça à vidinha, que já é crescidinho.

Come muito, e deixa comer as pombas, e as pombas com relógio no pulso, à hora exacta, à hora marcada lá estão elas de volta dele, e ele, ele nada, indiferente, só pensa na cadela da vizinha, passa os olhos pelos censos, dá dois roncos e papelada para a sarjeta, pronto,

- Está respondido, nem mais,

Quer lá saber o Noqui dos censos,

- nem eu,

Come muito, e deixa comer as pombas, senta-se junto ao riacho e perde-se na paisagem, chama as saudades de quando criança caminhava sobre as nuvens, junto à lua, e hoje não lua, e hoje não criança, e hoje não nada, apenas cinzas à beira da estrada, valetas suspensas na madrugada, quando o ontem partiu e levou consigo o amanhã, e ele, ele deitado junto ao riacho, dorme, ressona, cisma pela cadela da vizinha, e a vizinha ausente, e a cadela da vizinha à janela, pendurada nas cortinas, e as cortinas fantasmas da sombra que a manhã desencaixotou na alvorada, eu cansado, ele dorme, as pombas à sua volta em brincadeiras de meninos hoje homens, hoje envelhecidos pelas ruas da cidade, não comem, não tomam banho, não ninguém.

Onde residia em 31de Dezembro de 2005?

- na mesma casota onde resido hoje,

E em 2009?

- na mesma casota onde resido hoje,

Onde nasceu?

- Luanda, Angola, 23 de Janeiro de 1966, freguesia do Carmo, o meu cão em gemidos dia e noite, o meu cão chora, o meu cão apaixonado pela cadela da vizinha, e recordo as idas ao Mussulo e deixava-me levar pelas ondas…

E hoje não ondas, hoje o meu cão em gemidos na noite, hoje não paciência para este país desgovernado, hoje vi o mar, hoje sentei-me junto ao cais e rezei,

- um ateu reza?

Sim. Hoje rezei e deus sabe porque o fiz.

Come muito, e deixa comer as pombas, e as pombas com relógio no pulso, esperam pelas sobras do meu cão, e o meu cão em gemidos pela cadela da vizinha,

- Sim. Hoje rezei e deus sabe porque o fiz.

 

 

 

(texto de ficção)

FLRF

30 de Março de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:46

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

O Noqui apaixonado

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO