Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

14
Mai 14

O medo inventa-se em mim,

cresce,

e sorri,

o medo aprisiona-me como aprisiona o paquete mergulhado em nuvens de dor...

o medo é assim,

o medo inventa-se,

e,

e espera pelo regresso da noite para adormecer no meu corpo,

 

Hoje, hoje não sinto a falta de um abraço,

um beijo,

ou... ou de uma simples carícia,

 

Hoje, hoje tenho medo,

medo do regresso do medo,

medo das tempestades de areia branca,

 

O medo inventa-se em mim,

vive como um crustáceo nas rochas da insónia,

caminha,

corre no corredor do amanhecer,

saltita nas janelas da madrugada,

o medo inventa-se,

e... e aparece num esqueleto de vidro mendigando na cidade dos sonhos,

e hoje, hoje não um abraça, e hoje, hoje não um beijo... hoje tenho medo...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:33

10
Nov 13

foto de: A&M ART and Photos

 

senti-te despregada dos sonhos em castelos de veludo

desci as escadas da solidão à tua procura

mergulhei no incenso magusto das castanhas embebidas em pétalas de amor

dormi na rua por tua causa

subi às árvores para buscar-te as asas que te prometi

e por lá fiquei

senti

e sem ti

senti-te mais tarde dentro de mim como se sente o rio quando corre nas nossas veias de onomatopeias desgovernadas

tristes

e simples espada nas cantigas das janelas em ruelas empobrecidas

senti-te despregada dos sonhos em cubos de areia vestidos com bonecos em palha seca

sabia-te perdidamente nas cidades em volta dos relvados nocturnos dos néons castrados como abelhas fundeadas no cais das aranhas e noites em dormitórios de marés rochosas ou das malignas coberturas de zinco nas cabeças sem coloridas manhãs de Outono

amar-te-ei depois dos terramotos de cetim em cobertores de chita?

e por lá fiquei

senti

e sem ti

imaginava-te louca com brincos de centeio dos campos de Carvalhais

imaginava-te nua dentro do espigueiro junto à eira

e sentia-te entre as frestas do dia em delírios poemas como gotículas de suor que o teu corpo derramava sobre a minha sombra

e por lá fiquei

senti

e sem ti

às caravanas esplanadas do rio embrulhado em pontes de concreto armado

vagueavas-me na ponta dos dedos como objectos minúsculos do edifício da rua dos apaixonados mosquitos de arame

sentia-te fervilhar no meu sangue

sentia-te a desfrutares as palavras dos meus suspiros quando acordava o pôr-do-sol...

e um barco se sémen poisava sobre as tuas coxas envergonhadas

absorvendo o prazer da tarde como uma equação diferencial esquecida dentro do caderno quadriculado

e por lá fiquei

sem saber que tu eras como as espigas de milho

sem saber que tu sonhavas com clarabóias de insónia depois dos terramotos de cetim em cobertores de chita

amar-te-ei?

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 10 de Novembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:24

31
Out 12

Os fios de oiro que a noite embrulha no teu cabelo

rua sincera da cidade dos sonhos

nas palavras a verdade

e nos lábios

o sorriso lunar das árvores que navegam no oceano amor,

 

há pessoas sentadas nos pedaços de pedra

que deus deixou junto ao cais

as coisas dela nos coisos dele

sofregamente o eterno açude das frestas do desejo

e no entanto a noite entranha-se na carne esponjosa dos livros em poesia,

 

ele sentia

as acácias flor das paisagens íngremes do infinito capim de vidro

com as janelas apaixonadas

nas lágrimas palavras do oceano amor

que fingem travessias de rios invisíveis,

 

os fios de oiro que a noite embrulha no teu cabelo

sílaba por sílaba

carícia em carícia

as minhas mãos em migalhas de nada

na fronteira madrugada às abelhas da cidade dos sonhos...

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:11

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO