Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

E havia

Francisco Luís Fontinha 20 Mar 13

Havia o corredor de silêncio quando ela se vestia de palavras e caminhava, corria, caminhava, corria até que aos poucos, devagarinho, as luzes suspensas no tecto falso, ensurdeciam, enlouqueciam, e do vermelho abrupto sussurro das transversais linhas com poemas de areia, voavam, voavam até desaparecerem no final do corredor, a mulher, desesperava-se com a lentidão dos relógios e dos calendários, os dias tinham parado, e as horas e os minutos e os segundos,

Enlouqueciam como as lâmpadas de halogênio que vieram de regresso da plataforma número três com carris de xisto, socalcos mergulhavam na sombra do Douro, homens e mulheres, comendo sandes mal passadas, pedaços de pão, chouriço, e claro, vinho, com a água que Deus envia de vez em quando, e por incrível que pareça, misturam-se, abraçam-se

Como dois amantes, loucamente entrelaçados, sós, eles, tal com Deus os desenhou nas ardósias húmidas das tardes sem Primavera, lá dentro, o palheiro vazio, uma cama nua e despida de preconceito, mistura-se-lhe nas pequenas mãos de linho, o algodão transpira na camisa adquirida num estilista famoso que o cigano André vendia a cinco Euros, e num dos cantos do palheiro, pequenas palhinhas de desejo a iluminarem os espaço prestes a ser inaugurado entre dois sexos vazios, dois sexos que partilham cada milímetro de sombra que desce do tecto com ripas de madeira, eles amam-se e misturam-se-lhe das grandes asas do ciúme

Adeus meu querido,

Amo-te,

E havia o corredor, sem portas nem janelas, apenas com um tecto falso, baixo, a luz fingia-se viva quando todos sabíamos que as lâmpadas de halogênio estavam mortas, como mortas estavam as frases inscritas nas paredes de gesso, e havia

Alegria muita alegria, felizes todas e elas, felizes as flores e eles, felizes, felizes, não felizes,

Aposto tudo em

Não felizes,

Mais ninguém aposta? Vou lançar os dados, e...

Ganhou

Ganhei, ganhei, não felizes, palpitava-me, sabia-o como sempre soube desde que nasceu este pequeno monstro com braços de aços e esqueleto laminado a frio de uma liga de carbono e ferro, e às vezes, uma pequeno dor de coluna, que quando saia de casa e se queixava, ouvia a dona Amélia

Ai vizinho, esse chiadouro nas cruzes, até parecem dobradiças com insónias,

E

Não

Eram,

Qual insónia?

Sabes, meu querido? Não, como posso saber se não me disseste o que era,

Medo,

Tens medo, medo de quê?

Do amor, da paixão, e das loucas gaivotas quando devoram o mar durante a noite, enquanto dormimos, desculpa, enquanto eu durmo, tu nunca dormes, porque tu não existes, porque tu,

Sou um corredor do corredor de silêncio quando ela se vestia de palavras e caminhava, corria, caminhava, corria até que aos poucos, devagarinho, as luzes suspensas no tecto falso, ensurdeciam, enlouqueciam, e do vermelho abrupto sussurro das transversais linhas com poemas de areia, voavam, voavam até desaparecerem no final do corredor, a mulher, desesperava-se com a lentidão dos relógios e dos calendários, os dias tinham parado, e as horas e os minutos e os segundos, e eu, e ele, e todos os nossos móveis deixavam de fazer sentido, pareciam velhos, e não o eram, pareciam vermelhos, e eram azuis, tinham o Céu desenhado com estrelas de chumbo, e não tinham nada, afinal não era o Céu, nem as estrelas, nem o chumbo, apenas a humidade no tecto devido às infiltrações do vizinho de cima, por baixo de nós vivia um casal de submarinos, também eles, velhos e sós, também eles, estátuas onde pássaros mal educados cagavam sobre as deles pobres cabeças de bronze

Nunca quis ser estátua,

Nem altar onde se ajoelhassem mulheres a rezarem, a pedirem-me coisas, e pergunto-me

O que teria um desgraçado de um desempregado para oferecer?

Por favor

Procurar outro santo,

Porque eu,

Desisto,

Porque eu

Não estou disponível para negociações, porque eu

Nada

Nunca,

Porque meu querido

AL Berto

E companhia limitada,

Se o Pacheco estivesse vivo

Di-lo-ia

Amigos, estamos todos fodidos e mal pagos.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Sou um imbecil inadaptado

Francisco Luís Fontinha 15 Mai 11

Eu sei

Eu sei que sou um imbecil inadaptado

Um rio que corre ao contrário

Um segundo no relógio parado

 

Eu sei que nas minhas mãos não algas

Nem mar ou areia para me deitar

Eu sei

Eu sei que o meu barco está a afundar

 

Eu sei

Eu sei que na montanha há gaivotas

E que vem aí a tempestade

Eu sei, eu sei que no corredor não portas

 

Não nada onde me esconder

Não cama onde me deitar

Eu sei

Eu sei que sou um imbecil inadaptado à procura de ancorar…

 

 

 

Luís Fontinha

15 de Maio de 2011

Alijó

Sobre o autor

foto do autor

Feedback