Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O útero da noite...

Francisco Luís Fontinha 29 Ago 14

Não sei amar,

oiço o ruído da saudade que se acorrenta às frestas da alma,

há uma janela com acesso ao deserto,

não dou importância às pessoas com sorriso de vidro,

ou... ou que habitam as florestas com asas de aço,

têm mãos de palha, há nos seus dedos forcas em espera...

não sei amar,

e oiço do cansaço adormecido o acordar da tempestade,

uma rua dentro da algibeira,

uma moeda que nem dá para almoçar...

quanto mais... jantar,

e o mendigo que me acena e convida para dançar,

 

O menino dança?

 

Vai-te “foder” mendigo que eu não sei dançar,

um cigarro suicida-se nos meus lábios,

e no meu peito deita-se um pedestal encarnado,

não sei amar,

não sei escrever,

não sei fazer anda...

o cigarro grita pelo mendigo,

o mendigo toca-me no braço,

o meu braço começa a flutuar sobre as sílabas embriagadas,

e um poema vaidoso senta-se junto ao rio...

dou-me conta que lá fora é noite,

e não quero sair do útero da noite...

 

O menino dança?

 

Vai-te “foder” mendigo que eu não sei amar...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback