Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Ago 14

Serás a eterna folha de papel,

a pele húmida da tempestade que me embrulha quando cai a noite na eira de Carvalhais,

oiço o espigueiro atrapalhado no interior das canções de um sino em delírio...

oiço a tua ofegante voz quando tentas tocar-me... e foges, e desapareces no trigo silêncio da madrugada,

serás a eterna folha...

onde vou escrever os meus beijos, onde vou escrever as minhas caricias e os meus desejos,

 

Serás o rio onde me vou sentar,

os socalcos seios onde poisarei a minha cabeça...

depois... depois de acordar,

 

Serás a migalha de prazer que deambulará numa cama inventada,

os lençóis de seda que as tuas mãos aprisionam..., os sótãos do amanhecer,

e os gemidos quando és penetrada,

serás o luar,

e os versos ensonados das manhãs de liberdade,

 

Serás a eterna folha de papel,

a tinta ensanguentada dos orgasmos poéticos,

serás a eterna claridade dos espelhos de brincar,

o carrossel de uma cidade..., o cansaço de uma noite de amar,

serás o trapézio que se esconde na ardósia da tarde...

… a geometria nocturna de um corpo entranhado pelo poeta sem nome!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:24

15
Dez 13

foto de: A&M ART and Photos

 

a minha cidade despede-se do teu corpo em decomposição

um putrefacto sorriso acorda nos lábios da solidão

a minha cidade vive

como serpentes dentro de um aquário

a minha cidade é um corredor sem saída...

a minha cidade vive

e escreve nas paredes do medo

o silêncio prometido

 

a minha cidade és tu

nua despida em pedaços de leito das avenidas perdidas

a minha cidade dança

tem mãos de seda

e seios de indefinidos sons com abraços de musicalidade em palavras vãs

vãos de escada em sofrimento desejando o trono da fortuna

nua

tua mão singular no meu peito plural

 

o pronome avança contra o néon de sémen

e os telhados da minha cidade

ardem

como loiros cabelos suspensos nos arames do suicídio...

a minha cidade é uma puta com edifícios escumalha em lãs madrugadas

ovelhas

cabras...

e... e pequenos nadas.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 15 de Dezembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:53

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO