Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O que são desajeitados beijos, meu querido?

Francisco Luís Fontinha 9 Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Começo a ter medo das cores, telas e do amor, começo a ter medo dos dias sem a presença de pessoas, o medo às mortas assassinas horas, medo da noite quando todas as luzes dormem, ou fingem dormir

Pergunto-lhes

Já dormem, meus amores,

E nenhuma delas me responde, e depreendo que dormem ou fingem dormir, ou apenas não me ouvem, eu ainda as oiço, quando em pequenos passos vão descendo das janelas com acesso ao pátio de pequenas lajes em granito como pavimento, entre ranhuras, pequenas ervas, flores minúsculas, sonhos, e desajeitados beijos

Perguntam-me elas

O que são desajeitados beijos, meu querido?

Respondo-lhes que são beijos com defeito, que na fábrica dos beijos não passam no controle de qualidade, são colocados numa caixa de porcelana, embalados e devidamente embalsamados, para mais tarde, pela madrugada, entrarem em vós, e posteriormente, em mim

Perceberam, meninas?

Que não, que apenas percebem de luz, de estrelas, da noite quando a noite é uma verdadeira noite, quando os corpos, misturados em óleo de cedro e untados com palavras dispersas, eles, mergulham como lâminas de areia na sepultura dos cadernos com capa preta, onde vivem as palavras proibidas, as palavras cansadas, as palavras

Amas-nos?

De que vale o amor se as luzes da noite ficaram eternamente negras, penumbra como a morte, de que me servem palavras se sei que ninguém as lê, eu próprio não as leio, tenho-lhes medo, odeio-as, mesmo sabendo que são minhas, envergonham-me, como as cores e as telas e os beijos,

Raios... me partam para as palavras...

A vossa nudez mistura-se com a minha timidez, oiço de dentro de mim os ouriços dos tentáculos vidros da minha gaguez disfarçada de ventoinha a pilhas, há vozes que teimo em não ouvir, há imagens que teimo em não recordar, há palavras secretas e escondidas nos caixotes de cartão entre o tecto e o cimo da prateleira da minha triste e pobre biblioteca, há tanta coisa em mim que eu mesmo deixe de perceber se ainda estou vivo, se ainda é-me possível sonhar

Sabereis dizer-me, minhas queridas luzes nocturnas o que são sonhos?

Sonhos são... deixai, deixai-me sossegado,

Depois veio o desemprego, a miséria, e tudo porque chove, digo eu, maldita chuva, fartei-me de água e gotinhas de água, e de poesia, porque

Amas-nos?

Porque será que tudo de ruim é culpa do tempo? Perdi o amor da minha vida, claro, por culpa da geada, esta foi devido à geada..., sou um parvalhão inconformado, claro, culpa do sol, quando queimei todos os meus desenhos e textos e poemas nos anos 90, claro, por culpa da droga

Que tem a droga relacionada com a meteorologia... não sei, minhas queridas luzes e lâmpadas, não sei, mas certamente e quase de certeza que a culpa foi do céu pouco nublado, não tenho dúvidas, ah..., ah e ah, às vezes há,

Parvalhão, tu, que acreditas nas coisas inventadas por um louco malabarista (começo a ter medo das cores, telas e do amor, começo a ter medo dos dias sem a presença de pessoas, o medo às mortas assassinas horas, medo da noite quando todas as luzes dormem, ou fingem dormir

Pergunto-lhes

Já dormem, meus amores), e acredito que um dia vou ser crucificado pelas luzes que eternamente cessaram a luminosidade, como a vida cessa e dá lugar à morte,

Ou falta de sorte, como eu, desde que nasci.

 

(não revisto)

Francisco Luís Fontinha

A Querida Rainha

Francisco Luís Fontinha 13 Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Sob o tecto da tua vaidade, porque te mata esse odor a rosas de argamassa recheada com melodias de pássaros, os melros da manhã quando se despedem e assobiam publicamente como cartazes de vozes inseguras e medrosas, abaixo, dizem eles, as árvores apodrecidas e com sabor a riqueza, obviamente estamos a falar dos morcegos que em plena noite visitam os cadáveres vivos que em casas de cartão esperam pela chegada do sangue, milimetricamente, ouvem-se-lhes o tilintar de dentes e queixadas cobertas de aço e trabalhadas como o rebelde marfim, estátuas, palhaços, veados e os malditos pássaros, são as manhãs de um desempregado

(publicamente demito-me das funções de desempregado, o drogado e o embriagado, o doente e o senhor lá ao fundo da sala – Eu? - sim, o senhor que se queixa do dente superior esquerdo, terceiro andar, número vinte e três, da rua dos arrozais, vivos, comem os pardais e a liberdade como antes de existirem a insónia e a solidão, tínhamos as drageias de pedra com pequenas rugas de sabor a limão, perfume havia em ti como os relógios do pulso do senhor – Eu? - sim, o senhor, o deleitado senhor das orelhas moucas, dos olhos ensanguentados e brilhante, como faróis nocturnos depois de partir a tempestade)

São as manhãs de um coitado,

(das orelhas em flor, com a boca entreaberta, persianas descaídas um pouca à direita, e finíssimos pontos de luz entravam e sentavam-se na cadeira junto ao esófago, e chegar ao estômago era um instante quase mínimo, e quando lhe perguntávamos – O senhor fuma? - respondia-nos que não, - Não senhor, senhor doutor! - e continuava que já tinha fumado toda a “merda” que havia para fumar... mas devidos às circunstâncias – Quais circunstâncias, senhor António? - não responde, o arguido recusa-se a responder, e assim ia andando o dia até chegar o cortinado da noite, e a linda e bela Joana – E peço desculpa... mas tinha de encontrar um nome! - e a linda e bela Joana carregava no interruptor dos sonhos, e uma máquina poisada sobre a cristaleira começa a vomitar sons melódicos, e conseguia misturar sons musicais com palavras travestidos de poema...)

A Querida Rainha,

Oiço-os dentro da máquina com feições de caixa e qualquer coisa com perfume a Planeta 3, e encostas a cabeça ao cadeirão e quando me apercebo, não estás entre mim, algures voaste, como as poucas palavras que trocaste comigo, Rainha, minha Eterna Rainha,

(meu amado senhor)

Que dizeis vós do meu destino?

(amar, desamado, não amando, abandonado, sonhando, não sonhado, amar, amar os veleiros com rosa purpura no peito das esquinas da cidade do sofrimento, lento, minto, quando de dentro, do corpo, o alimento, e o fermento das raízes que seguram os edifícios à terra laminada, fatiada, como o queijo e a marmelada, sem o sossego do vento, invento coisas, coisas e coisas que tu, que eu, nunca soubemos quem eram. és, tu, sou eu, e não encontro as palavras certas para te definir, nunca percebi se era uma equação matemática, nunca percebi se eras um poema ou um texto, ou ambos, ambas, disfarçados e disfarçadas, de Primavera, sonâmbulas manhãs sem madrugada, amar, desamado, empregado,desempregado, filho, filha, enteado, e no entanto, estou aqui, agora, sentado...)

“Sob o tecto da tua vaidade, porque te mata esse odor a rosas de argamassa recheada com melodias de pássaros, os melros da manhã quando se despedem e assobiam publicamente como cartazes de vozes inseguras e medrosas, abaixo, dizem eles, as árvores apodrecidas e com sabor a riqueza, obviamente estamos a falar dos morcegos que em plena noite visitam os cadáveres vivos que em casas de cartão esperam pela chegada do sangue, milimetricamente” - Olá, eu sou a Joana! - e mesmo não sabendo, desconhecendo, dizendo, digo-o, o prazer é todo meu, Menina Joana, que como já tive a oportunidade de salientar..., precisava de um nome, uma morada, uma rua e de um número, se possível, par, e tive o azar de escolher um número ímpar, envelhecido, e um nome que de lindo ser, ninguém conheço com esse apelido, digamos, tenho intimidade suficiente para dizer e escrever que

(sinto muito, Minha adorada Rainha – Não, não conheço ninguém que se apelide de Joana – e quando me perco nas ruas, pergunto-me na passagem pelas coisas e objectos estranhos – Proibida a entrada a pessoas estranhas ao serviço... - e não entrei, e recusei-me a admitir que existia uma íntima probabilidade de a primeira mulher com quem me cruzava na rua se chamar Joana)

Que aqui o Zé ninguém, não conhece, nunca conheceu, nenhuma Joana – E é tudo? - SIM, MINHA ADORADA RAINHA, É TUDO.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

E no Sábado?

Francisco Luís Fontinha 4 Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Há uma parede ínfima que separa a saudade da vontade de regressar, há uma brecha na parede ínfima onde me é permitida a entrada, e mesmo sendo apenas ao Sábado, eu entro, e fico lá, a olhar os pedaços de loiça que sobejaram da catástrofe que as madrugadas sem destino provocaram na melodia que junto à noite ouvíamos, provavelmente, da casa do vizinho, mas ao longe, um senhor de barba, todos os finais da tarde, saboreava o seu trompete, e eu, uma criança curiosa, inventava palavras para justificar aqueles sons, que ainda hoje oiço, cerro os olhos, e a música flui em mim como o vento quando enrola os lençóis pendurados no estendal perdido no quintal, lá, misturam-se couves, cebolas, tomates, feijão-verde, alhos e algumas galinhas em processo de rescisão de contracto, são velhas, e imaginando-as dentro de uma panela em ferro-fundido, nunca, nunca estarão prontas para serem comestíveis, a não ser que

(o infinito dos dias deram lugar à rapidez das palavras, quero-as escrever e estou a sentir dificuldade de imaginar-me sentado a uma secretária (digo – de madeira) com uma caneta de tinta permanente a escrever num caderno sem nome, talvez lhe coloque o nome de “Matraquilho”, Porque não? Sempre será mais agradável escrever sobre um nome, semelhante a escrever num corpo desnudo, e não saber o nome da folha de pele doirada onde se escreve, “onde se lê folha de pele doirada, o escritor quer dizer PÉTALA DE ROSA ABANDONADA”, e claro, é como beijar os lábios mais belos do Céu e desconhecer o nome desses lábios, todos têm um nome, uns são de filigrana, outras são de marijuana, outros..., o nome, por favor, insira a moeda na ranhura, e rode a alavanca, e logo em seguida tem o seu desejo concretizado, e melhor do que fazer pipocas, porque essa ideia já é tão velha como o apelidado de “cagar”, porque quase há trinta anos que vejo os ciganos nas feiras a venderem pipocas, e como dizia um professor meu na Universidade, tudo em engelharia já foi inventado, ou quase inventado, neste momento a sabedoria está em descobrir novos e mias económicos materiais, portanto, neste momento é na ciência de materiais que está a sabedoria, porque de equações quase que estamos conversados, esta agora... Pipocas..., ele há cada um)

A não ser que a minha amiga que vive na cabana a seguir à ribeira tenha uma porção mágica para transformar galinhas velhíssimas em novas, com coxas, com lábios, com seios, comestíveis

(o rio enfureceu-se comigo, entrou-me em casa e destruiu-me todos os papeis e livros, e eu não percebendo se estava a sonhar, e eu não percebendo se estava a dormir, apenas recordo-me de dizer – Felizmente, felizmente que alguém fez alguma coisa e destruiu-me esta porcaria sem cheiro, semelhante a rodas de chocolate, parecidas com bolachas de madeira – E logo eu, eu meu querido, logo eu que sou apaixonadíssimo por rios e barcos, logo eu)

Comestíveis saudáveis, comestíveis como folhas de alface – quando a parede ínfima que separa a saudade da vontade de regressar, há uma brecha na parede ínfima onde me é permitida a entrada, e mesmo sendo apenas ao Sábado, eu entro, e fico lá, a olhar os pedaços de loiça que sobejaram da catástrofe que as madrugadas sem destino provocaram na melodia que junto à noite ouvíamos, provavelmente, da casa do vizinho, mas ao longe, um senhor de barba, todos os finais da tarde, saboreava o seu trompete, e eu, uma criança curiosa, inventava palavras para justificar aqueles sons, que ainda hoje oiço, cerro os olhos, e a música flui em mim como o vento quando enrola os lençóis pendurados no estendal perdido no quintal, lá, misturam-se couves, cebolas, tomates, feijão-verde, alhos e algumas galinhas em processo de rescisão de contracto, são velhas, e imaginando-as dentro de uma panela em ferro-fundido, nunca, nunca estarão prontas para serem comestíveis, a não ser que – e dizem-me que amanhã é outro dia, claro, compreendo perfeitamente minha querida senhora, mas... E no Sábado?

(não sei o que são Primaveras)

Grades de sombra

(havia silêncios misturados nos sons do trompete do homem de barba, recordo-me agora, que era branca, tipo – Pai Natal? - Ora aí está, tal e qual, isso mesmo, e na altura eu sentava-me em frente à porta de entrada, uma casa simples, descomplexada, onde os aposentos de serem tão minúsculos quase que abria os braços e atravessava o quarto, entrava na casa da vizinha, e tirando isso – éramos felizes – e aqueles sons habitam hoje dentro do meu corpo, ainda hoje, sento-me em frente à porta de entrada da cabana onde habito, e apesar de não ser a mesma casa e de não ser o mesmo local, consigo ouvir os sons melódicos do trompete do senhor com barba branca, talvez do tempo, talvez da idade, talvez dos versos...)

E o teu corpo prisioneiro em grades de sombra, num castelo de areia, tão alto, tão alto, que é quase impossível alguém subir, subir – se ao menos soubesses voar! - Pois, mas infelizmente não sei voar, pois, mas infelizmente tenho medo que a areia ceda, e se transforme em grãos como bolas e sabão quando éramos crianças e andávamos pelas ruas do bairro a lançar bolinhas para a atmosfera, hoje, ainda as vejo, às vezes, a atravessarem o horizonte entre voos rasantes e lentidão de saliva, e o teu corpo lá, lá, lá...

(A não ser que a minha amiga que vive na cabana a seguir à ribeira tenha uma porção mágica para transformar galinhas velhíssimas em novas, com coxas, com lábios, com seios, comestíveis – Depois de amanhã é Sábado – e mesmo assim talvez não seja este Sábado que vou conseguir entrar através da brecha da parede ínfima que separa a saudade da vontade de regressar – só se as comermos assim, mesmo assim, duras)

Lá, na rua onde vivemos, aprisionado a grandes de sombra, e lá – Lá o quê? - lá bem no alto a entrada no castelo para chegar à cela invisível onde ela come e dorme e vive... e dizem que ama.

 

(quase ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Evasão de Privacidade

Francisco Luís Fontinha 2 Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

A demolição do meu corpo dentro do cubo de silêncio que as andorinhas constroem nas triangulares janelas da casa dos fantasmas-sombra que desde a infância vivem no quarto ao fundo do corredor, sem portas, o tecto descia até não caberem mais os medos entre o pavimento e o candeeiro retrovisor do quarto das traseiras,

Chamavas-me durante a noite para beber o leite, eu recusava-me a acordar, eu recusava-me a abrir a boca, ele recusava-se a levitar sobre o jardim das flores de corpo-doirado, durante o processo de construção, levantava-me pensando que não me levantava, por exemplo, quando hoje estava a ouvir a Antena 3 e repentinamente, entra-me no ouvido a Radio Regional de Resende, confesso, por ignorância, desconhecia a sua existência, É para dedicar? Sim, para o primo Francisco, Para o Pai Francisco, e Para o avô Francisco, E o tema... “O Malhão do Beijo – Zé Amaro”, e eu

(sabia lá quem era o Zé Amaro...)

E ainda agora desconheço a quem pertencem os pássaros que não cessam de refilar, refilam, refilam, e eu

(penso)

Será uma reunião sindical? Será uma manifestação? Não percebo, não entendo porque berram estes malditos pássaros que vivem nas árvores do jardim emprestado onde habito... sem bancos de madeira...

(dedico a todos)

A prisão do nobre silêncio às algemas dos fios de cobre que o sucateiro da esquina derreteu depois do dependurado João & João ter fanado do monte dos arbustos bravos, o telefone silenciou-se, e todos os sorrisos das câmara de vídeo perderam-se nas conferências de parvos a venderem pipocas na praça, melhor dizendo, junto aos Paços do Concelho, de meia-calça, sapato alto, e brincos de prata nas orelhas furadas como o crivo do passe-vite herdado da avó Silvina, e confesso-lhe querida senhora, ver não vi, mas pareceu-me que do outro lado da rua um senhor fugiu com um dos candeeiros de jardim estacionado junto ao largo onde passeiam elas, e mão dada, como andorinhas de Primavera,

(dedico ao meu pai, dedico à minha tia, e a todos os Membros do Governo, e já agora, para todos os desempregados...)

É tudo? Falta a frase... Pois carago... a frase... “Passos, Passos, é no sucateiro dos abraços” desde 1756, E a música? “O Malhão do Beijo – Zé Amaro”,

Muito obrigado e uma excelente tarde,

(excelente tarde, só se for para ti)

A prisão, os fios de cobre a saltarem de mão em mão, e uma Polícia Política de espada na mão à procura de palavras e canções, de textos e gravatas, palavras, paralelepípedos recheados com os olhares da calçada do João & João, rapazola sabichão, salteador de amêndoas depois de levantar voo a Páscoa

(Aleluia, Aleluia, Aleluia)

Invoquem o artigo 21 da constituição, façam-no, não tenham medo, pior do que isso é a fome e a miséria,

E agora, depois de se erguer e dirigir-se para outras paragens, resta-nos os buracos das estradas mal alcatroadas, que brevemente vão ser devidamente tapados, pois este é ano de eleições Autárquicas, e eu, pergunto-vos, Porquê?

Se eu estava descansadinho a ouvir a Antena 3, tinha não mão o livro de poemas de AL Berto “Vigílias” e entra-me casa adentro o “Malhão do Beijo – Zé Amaro”, sem que alguém tenha mexido no radio, sem que uma única alma, que eu saiba, estivesse ao meu lado, e o estupor do radio vai até Resende, veja vossemecê, Resende, ao menos ficava-se por Carrazeda de Ansiães, ou por Vila Real, ou... pelos Paços do Concelho, mas não, quis o destino que hoje eu, sem perceber porquê, conhecesse a Radio Regional de Resende, por acaso, e imagino se o AL Berto fosse vivo

E dizia-lhes

(“Cesariny e o retrato rotativo de Genet em Lisboa

ao lusco-fusco mário
quando a branca égua flutua ali ao príncipe real
as bichas visitam-nos com as suas cabeças ocas
em forma de pêndulo abrem as bocas para mostrar
restos de esperma viperino debaixo das línguas e
com o dedo esticado acusam-nos de traição

sabemos que estamos vivos ou condenados a este corpo
cela provisória do riso onde leonores e chulos
trocam cíclicos olhares de tesão e
ficamos assim parados
sem tempo
o desejo diluindo-se no escuro à espera
que um qualquer varredor da alba anuncie
o funcionamento da forca para a última erecção

lá fora mário
longe da memória lisboa ressona esquecendo
quem perdeu o barco das duas ou se aquele que caminha
será atropelado ao amanhecer ou se o soldado
que falhou o degrau do eléctrico para a ajuda fode
ou ajuda ou não ajuda e se lisboa num vão de escadas
é isto
tão triste mário sobre o tejo um apito”

AL Berto)

E dizia-lhes o quanto é difícil viver desordenadamente sem a ajuda de ninguém, como os fantasmas-sombra que habitavam a casa de Carvalhais e morreram quando ela morreu, e ruíram quando ela ruiu, e solidariamente se suicidaram, quando ela se suicidou, e no entanto, hoje vivo feliz por saber que deixei de existir, tenho um nome, apenas, e um número de contribuinte, um número que não serve para nada, que de nada me serve, apenas um número, e números tive muitos, apaixonei-me por muitos, e hoje, vivo completamente na solidão dos números, e apenas posso ter esperança no

(viva, viva o artigo 21 da Constituição)

Dia de amanhã, a mesma esperança que tinha no dia de hoje, e pergunto-me

(não devia ser inconstitucional existirem reformas abaixo de trezentos euros e abaixo de duzentos e setenta e um euros?)

Dizem-me para não repetir o que disse...

Porque isso não se diz, porque inconstitucional é a Taxa de Solidariedade, isso sim, porque não usufruir qualquer rendimento ainda não é nem será inconstitucional...

É tudo? Falta a frase... Pois carago... a frase... “Passos, Passos, é no sucateiro dos abraços” desde 1756, E a música? “O Malhão do Beijo – Zé Amaro”,

Muito obrigado e uma excelente tarde,

(excelente tarde, só se for para ti)

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

A cidade dos cães de xisto

Francisco Luís Fontinha 1 Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

No quarto escuro, embriagados os relógios de pulso, encosto-me à parede circular, da velha penumbra fechadura que o empregado da ourivesaria deixou por esquecimento sobre o mármore do lava-loiças que vive na cozinha, desgraçado dele, finge-se de morto como as luzes da tristeza se fingem de árvores acesas nos jardins juntos aos Oceanos marinheiros de areia, e, e olho-me nos gonzos descomunais que os vidros de estanho provocam na face ocultas dos meninos traquinas, e olho-me, penteio-me, infeliz como os rebuçados de açúcar, nas geias íngremes até chegarmos à ribeira, olhava para cima do teu ombro escuro, e via as estrelas dançando nos lábios da tenda de circo que esta semana atracou amarras aqui na aldeia dos sonhos, as crianças ainda acreditam em palhaços e malabaristas, eu, acredito também, nas esquinas das paredes, que fazem do quarto escuro o sítio mais seguro da casa assombrada, asas, barcos, petroleiros e cacilheiros, mulheres, e crianças, meninas e meninos,

Os palhaços!

Tantos, tantas, como múmias desgovernadas das mãos enlouquecidas dos ovos de chocolate, eles e elas, deitados, deitadas, as moscas e os filhos das moscas, e claro, as sempre afamadas formigas trapezistas, a recibo verde, em cada rua destruída pelos ventos de nortada, havia destroços de ossos nas traseiras dos prédios sem moradores, e havia moradores destruídos nas traseiras dos bancos de jardim, e havia jardins destruídos, sem bancos e sem plátanos, sem flores e sem corações de manteiga,

Os trapezistas voadores em arames de xisto,

(e será que elas voam?)

Adorava que sim, que se erguessem, e desaparecessem entre a copa doiradas das árvores de papel celofane, E os palhaços? Como os trapezistas...! De roulote em roulote, palmilhando trilhos e veredas, e asas de cetim, E para quê?

Os trapezistas voadores em arames de xisto,

(e será que elas voam?)

Dizem que sim... que voam, que têm asas, corações de vidro e lábios de porcelana, e elas, as gaivotas do desejo, claro que voam, como pedaços de papel, como pedras descendo aceleradamente a encosta montanha abaixo, e abaixo tudo,

Abaixo estes palhaços de barros,

Abaixo,

Abaixo estes trapezistas de madeira,

Abaixo,

Abaixo quem ergueu as palavras que servem para escrever poemas, que falam de amor, que falam de paixões, que falam de circos, ambulantes, como a liberdade dos homens..., abaixo todas as cordas de nylon que aprisionam os barcos aos cais moribundos, latifundiários, cais ordinários com palavras de “NÃO VAMOS REGRESSAR NUNCA”, abaixo quem semeou os campos de trigos do pavimento térreo do meu quarto, escuro, sem janelas, sem portas, apenas com um tecto de vidro, abaixo os cinzeiros de vidro, os cigarros que se prostituem, de boca em boca, de mão em mão, abaixo todos os isqueiros de plástico, com cores berrantes, com desenhos estranhos, e tão deselegantes, tão magros, tão...delinquentes

(e será que elas voam?)

E que acreditam nas algas com braços de prata, e claro que sim, elas, abaixo os candeeiros que rompem a noite e destroem as madrugadas de suor, as peles escuras com sinais sonoros, abaixo os plátanos sem pássaros, e que destroem as mãos amarrotadas dos livros sem titulo, sem história, sem... e é nessas alturas que entra em nós o silêncio, amarfanha-se junto às coxas dos distantes beijos que dos lábios de areia mergulham nas alicerçadas marés de pedra, há virgens com flúor, e tristes mesas de café sentadas nas cadeiras plastificadas dos livros escolares que a mochila da infância carregava, como pedras, pesadíssimas as sombras do teu olhar,

(não sei se amo, se desejo, não se me sinta vivo, ou apenas como um esqueleto de arame vagueando pelas ruas desenhadas por um miúdo acabado de regressar de África, não sei, o que deva fazer, se correr ou esconder-me, abraçado a ti... no quarto escuro...)

Idiota!

Covarde...



Diziam-me que as tristes viagens

eram desencontros que as palavras construíam nas linhas curvas do papel

hoje não o dizem

ou o escrevem como se eu deixasse de existir

procuro-te e dizem-me que morreste ou deixaste de habitar a cidade dos peixes,

 

Não há cortinados com o teu nome

e todas as radiografias de ti foram queimadas como ossos vadios

recheados com o reumático

não há janelas como os teu lábios

quando a tua boca se transformava em areia de Primavera,

 

E dos teus seios havia barcos em fila para atracarem no porto das alegrias

havia luzes coloridas

e flores com palavras escritas em cada pétala perfumada

e tu parecias um peixe com olhos castanhos à espera de semearem a noite

nos lençóis de linho da cama do desejo,

 

Tinhas medo dos meus abraços?

Porque em casa âncora de luz um sorriso adormecia nas estrelas de ontem

e diziam-me que as viagens

eram tristes

e que não sabiam mergulhar nas miseras palmeiras do largo abandonado...

 

 

Covarde, eu?

(não sei se amo, se desejo, não se me sinta vivo, ou apenas como um esqueleto de arame vagueando pelas ruas desenhadas por um miúdo acabado de regressar de África, não sei, o que deva fazer, se correr ou esconder-me, abraçado a ti... no quarto escuro..., sem janela, nós inventamos uma com vista para o mar das traseiras, esperamos que nos desenhem uma porta numa das quatro paredes de gesso, provavelmente não será difícil, difícil mesmo talvez seja desenhá-la, perfeita, em esquadria, e com as medidas standard, oitenta centímetros de largura por duzentos e dez centímetros de altura, e depois, de mão dada, podemos fugir juntos para o infinito, onde dizem os matemáticos, se encontram as rectas paralelas),

Gostavas de me dar a mão e abraçares-te a duas rectas paralelas? Mesmo que sejam duas rectas pobres, traçadas a fiz, ou a carvão, nada de sofisticado, nada de carris em aço, nada, apenas riscos e beijos, apenas imagens dos cortinados de ontem,

Covarde, eu?

Idiota!

Covarde...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Claro que não percebes que há olhares invisíveis

Francisco Luís Fontinha 18 Mar 13

É impossível viver-se assim, não concordas comigo?

(meia dúzia de gargantas contra as lajes do vento, três ou quatro mãos arremessando pedras da calçada na direcção da casa amarela da rua escura que tem uma árvore caquética, com dois ou três bancos de jardim, envelhecidos como o povo, como os barcos, como os pássaros que assistem pacientemente à ditadura do dinheiro, morre-se, matam-se, suicidam-se nuvens não percebendo que o futuro é uma sepultura com pedra mármore em cima, cansamos-nos de ouvir tantos e tantos comentadores, que tudo comentam, que nada percebem daquilo que comentam, hoje a receita é uma, amanhã já é outra, e talvez, depois de amanhã, não sei, apreça um que diga que a solução é o peru recheado com batatinhas doiradas, caseiras, o peru, caseirinho, as delícias da avó Silvina, e hoje),

Percebes o que eu quero dizer-te?

(hoje ofereceram-me catorze ovos, caseiros, e sou levado a concluir que o dia não está a ser assim tão horrível, como eu pensava, ao acordar, depois recebo a notícia que vai ser editado pela Fundação José Saramago um novo livro “A estátua e a pedra” de José Saramago, e confesso, neste momento da minha vida, digo-o e repito-o

estou a cagar-me se a barraca vai ou não vai abaixo, que estou a cagar-me se a tenda frágil deste circo vai ou não vai ruir, porque

hoje deram-me catorze ovos, se comer um por cada jantar, tenho catorze jantares garantidos, mais uma laranjas que a velhinha me ofereceu, poderei dizer que

hoje até que nem foi um dia assim tão horrível, chato, não, não,

é impossível viver-se assim, não concordas comigo?)

Nós aguentamos, nós somos como os plátanos, na minha terra adoptiva existe um plátano com cerca de cento e cinquenta e sete anos

E ele

Aguenta, e ele, e ele tem aguentado tudo, tormentas, tempestades, velórios irrisórios, vestimentas de areia, ditaduras, e omissões marítimas, e ele

Aguenta, sempre, hirto, um pouco obeso, é normal para a idade, mas tirando isso

Aguenta, tudo,

(meia dúzia de gargantas contra as lajes do vento, três ou quatro mãos arremessando pedras da calçada na direcção da casa amarela da rua escura que tem uma árvore caquética, com dois ou três bancos de jardim, envelhecidos como o povo, como os barcos, como os pássaros que assistem pacientemente à ditadura do dinheiro, morre-se, matam-se, suicidam-se nuvens não percebendo que o futuro é uma sepultura com pedra mármore em cima, e dizem que o futuro somos nós

nós, quem?

os esqueletos recheados de fome?

ou

os vampiros da morte, os pedintes novos caminheiros caminhando sobre as rodas circulares das ameixas em flor, hoje foram catorze ovos, e amanhã? E se amanhã não existir amanhã? Porque o peru deixou de ser caseiro, ou

Porque as batatinhas deixaram de ser caseirinhas, e das nuvens, nem água, nem incenso, nem

não

nem as planícies dos triângulos azuis que voam sobre as tardes de neblina, tenho vergonha mãe, dizias-me tu quando calçavas as botas com os dentes de fora, de beiços aguçados, ou

tenho vergonha mãe

quando as calças tinha as joelheiras rotas, e tínhamos o couro que servia como remendo e como adereço,

e),

Não sei, diziam-me que aqui havia uma ilha com rochas que falavam, juro, percorri todas as montanhas e rochas nenhumas, quanto mais falarem, e como precisávamos de conversar, olharmos-nos, os meus olhos nos teus olhos, que confesso e não me leves a mal, nunca soube de que cor são, digo-o, para mim passam a ser encarnados com bolinhas brancas, e hoje

Catorze ovos, caseiros, catorze jantares assegurados, laranjas para sobremesa, música, e que nunca nos faltem as pilhas para o rádio, nunca

Porque sem música

Morríamos, deixávamos de dançar sobre as cristalinas ondas de sono, e tu vinhas a perceber que a noite é uma mentira com cortinados de luar,

(não sei o que faça, não sei se amanhã terei força para me erguer, reerguer, gritar, chorar, e acredita, estou calmo, não estou nervoso e não sinto a falta dos cigarros, mas

hoje

e amanhã?

e

depois de amanhã?

Não sei

talvez cresçam e floresçam as inventadas flores que colocamos sobre a pedra mármore das velhas e novas sepulturas, com janelas, com clarabóias, e enxadas de vidro nas mãos calejadas dos homens vestidos de árvores, com três ou quatro pássaros poisados na cabeça, esse homem, esse desgraçado homem,

é ele

sou eu)

Adormeci um dia sem perceber que as manhãs são mesas de madeira com toalhas de plástico; como está tudo isto?

Uma merda, uma grande merda.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Acorrentado à saudade

Francisco Luís Fontinha 11 Jan 13

Entravas em casa acorrentado à saudade, perguntava-te o que tens, respondias-me

Nada, tenho o mesmo que tinha ontem,

Entravas em casa acorrentado à saudade, tinhas sobre os ombros ossudos o peso melancólico das palavras tristes que viviam nas tuas mãos, carregavas na mochila pedaços de silêncio e pedras invisíveis para posteriormente utilizares nas tuas subidas mágicas à montanha dos generais envenenados pela raiva do destino, cruzavas-te com os lobos e pedias que fizessem de ti um pássaro tão grande como a chuva, e tão veloz como os barcos de papel que navegavam na banheira do segundo esquerdo, e janelas para o rio das grandes grades de ferro, as prisões incompletas de homens com o desejo de escreverem nos lábios do sol, algumas pombas desciam na alvorada e mergulhavam dentro dos restos de pão ensanguentado pelos vadios cães amorfos que deambulavam pela ilha,

Nada, tenho o mesmo que tinha ontem, Qual o meu desejo para 2013? Difícil... deixa cá ver, sei lá, talvez uma..., caramba pá só me fazes perguntas difíceis, talvez... Já sei, Já sei, Reformar-me aos quarenta e sete anos, faço-os dia vinte e três de Janeiro,

E quase nunca ouvias as locomotivas da fome poisarem em Campanhã, e quase

Nada, não quero nada, o mesmo que ontem, talvez, talvez

E quase chegavas com a mão ao tecto do incenso desejo, e quase, talvez, ontem, e quase que adormecias com o desembrulhar dos livros que trazíamos da livraria em fim de estação, saldos, e mais saldos, e quando chegavas a casa

Estamos falidos, não se vende anda, assim..., assim só nos resta queimar o resto dos livros, em frente à porta de entrada, e

E ir-mos para a Coreia do Norte, Gostava tanto amor, tanto, tanto,

Não sei, não...

E quase nunca ouvias as locomotivas da fome poisarem em Campanhã, e quase nunca utilizavas as pedras húmidas que transportavas na mochila, pedia-te urgentemente e respondias-me

Não, hoje não posso, talvez amanhã, não sei, sei, que a vaidade destrói os humanos, porque as árvores não são vaidosas? Não o sei, sinceramente, não o sei, talvez regressem as locomotivas a Campanhã e os socalcos ao meu imaginário, as bifanas da tia Alice, a cerveja meia choca, como ela, coitada, com idade para estar à lareira, e no entanto

Qual o meu desejo para 2013? Difícil... deixa cá ver, sei lá, talvez uma..., caramba pá só me fazes perguntas difíceis, talvez... Já sei, Já sei, Reformar-me aos quarenta e sete anos, faço-os dia vinte e três de Janeiro,

Entravas em casa, não falavas, nem olhavas para as flores que tínhamos em cima da mesa da cozinha, sentavas-te no sofá, e nem livros querias ler, odiavas a televisão, ligavas o rádio e sintonizavas a Antena 3, quase sempre A Prova Oral, quase sempre

Reformar-me aos quarenta e sete anos, faço-os dia vinte e três de Janeiro,

Quase sempre ficavas imóvel, envidraçado como os moveis da sala de jantar que herdamos da tua mãe, e coitada da Tia Alice às voltas com as bifanas, coitada da Tia Alice às voltas com o reumático, às voltas com as varizes e a cerveja choca, cansada, velha

E as locomotivas esperavam pelo regresso das bifanas, e coitada da Tia Alice

Qual o meu desejo para 2013? Difícil... deixa cá ver, sei lá, talvez uma..., caramba pá só me fazes perguntas difíceis, talvez... Já sei, Já sei, Reformar-me aos quarenta e sete anos, faço-os dia vinte e três de Janeiro,

Engraçado queimar-mo,

Ouvir a prova oral ainda é o que nos mantém vivos cá em casa, em falta de sopa ouvimos o Alvim e a Xana, em falta de sopa ouvimos os poemas de AL Berto na Casa Fernando Pessoa, ou

Engraçado queimar-mo,

Em falta de sopa ouvimos o projecto Wordsong (AL Berto), e

Reformar-me aos quarenta e sete anos, faço-os dia vinte e três de Janeiro,

E sentimos-nos perfeitamente bem, e de boa saúde, até que vêm as locomotivas de Campanhã e trazem com elas os socalcos do Douro, trazem o rio, trazem as enxadas com sombras de reumático e fome concentrada em pequenas latas de duzentos gramas de neblina Conceição, Tia Alice, tia Alice

Que só queria reforma-se aos quarenta e sete anos, fá-los dia vinte e três de Janeiro, mas as bifanas e a cerveja choca, e a chuva do tamanho de uma flor, e às vezes fugiam sem pagar,

Entravas em casa, não falavas, nem olhavas para as flores que tínhamos em cima da mesa da cozinha, sentavas-te no sofá, e nem livros querias ler, odiavas a televisão, ligavas o rádio e sintonizavas a Antena 3, quase sempre A Prova Oral, quase sempre

Dizias-me que para 2013 desejavas reformares-te aos quarenta e sete anos que fazias a vinte e três de Janeiro, e ficavas imóvel, envidraçado como os moveis da sala de jantar que herdamos da tua mãe, e coitada da Tia Alice às voltas com as bifanas, coitada da Tia Alice às voltas com o reumático, às voltas com as varizes e a cerveja choca, cansada, velha

Torturada pela escravidão da puta da vida.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

Ou o pai retratava o filho

Francisco Luís Fontinha 7 Jan 13

Deixara de chover, a máquina de lavar roupa pifou uma vez mais, constipação, ou

Fígado,

Ou

Talvez não,

Não temos tempo para despedidas, Pedro, O senhor Alberto para o filho que parecia uma abelha em círculos de luz às voltas do avô João, o carro pronto a avançar estrada fora, recheado de pequenas miudezas, batatas e couves, chouriços e presunto, pão de milho, e o Opel Kadett de 1964 aos soluços como os bebés depois de nascerem enquanto aguardam a chegada do babado pai e a enfermeira

É um menino,

Fígado,

Ou

Talvez não,

O pai retratava o filho com imagens a preto e branco, no tornozelo uma fitinha azul com o nome e o dos progenitores, e se fosse hoje, e se fosse hoje juro

Pifou

E deixara de chover,

E se fosse hoje juro que não queria progenitores, inventava-me, fazia-me das larvas azedas que de árvore em árvore, que de nuvem em nuvem, juro, juro que me tinha inventado como inventei tantas outras coisas,

Adeus avô, com choraminguices o Pedro ao despedir-se, e ouviam-se os lamentos do senhor Alberto, que começava a ver cair a noite e pelas suas débeis contas só de viagem deveriam ser aproximadamente quatro horas, isto é, sem efectuar quaisquer paragem, para um café, ou

Pai, preciso de fazer xixi,

É um menino,

Fígado,

Ou

Talvez não,

E deixara de chover, a máquina de lavar roupa pifou uma vez mais, constipação, ou

(pausa para ir à casa de banho)

Ou simplesmente entrou em greve sem pré-aviso, e cá em casa parece que estão todos loucos, queixava-se o pobre do senhor Alberto, viúvo, um filho, desempregado, E pergunto eu, que vou dando vida a este texto

Que mais poderá acontecer a este desgraçado?

Mulheres há muitas, sou palerma!,

O pai retratava o filho com imagens a preto e branco, no tornozelo uma fitinha azul com o nome e o dos progenitores, e se fosse hoje, e se fosse hoje juro

Digam-me, que mais este desgraçado poderá esperar da vida?

Juro, se fosse hoje, se fosse hoje inventava-me, colocava umas luzinhas na cabeça, pedia ao senhor Arsénio que me desenhasse umas asas e mandava-as construir ao tio Serafim, quando regressasse a casa com a estrelada, coitada, manca

Estrelada!

E amanhã não me fodes mais porque vais ficar na loja porque com a pedrada que te dei, e enquanto isso, o Serafim a jogar ao pino com os colegas da escola, e tenho quase a certeza que ele me constrói umas asas com vista para o Tejo, pensava o menino Pedro antes de adormecer e enquanto a família, pai, mãe e avós, todos, numa irritação

É a tua cara Alberto,

Não é não, respondia a avó Madalena, e acrescentava

É tal e qual o meu João, isso não tenho duvidas

E eu, e eu tenho a certeza que tenho algumas parecenças com um embondeiro, com um mabeco, ou na pior das hipóteses

Com um Anjo,

(mais uma breve pausa para ir à casa de banho regressamos o mais breve possível)

Sim, com um Anjo, Porque não? Deve estar louco menino Pedro, queixava-se o porteiro embriagado quando madrugada dentro ele

Eu, tu, regressávamos das longínquas sentinelas de estanho, deixávamos as mesas de granito junto aos jardins caquécticos da casa de S. Pedro do Sul

Constipação

Ou

Fígado,

Constrói-me umas asas, tio Serafim

E a coitada da estrelada só em três patas, sofreu tanto, tanto sofrimento teve esta ovelha, e o menino Pedro e a menina Margarida

Eu, tu, regressávamos das longínquas sentinelas de estanho, deixávamos as mesas de granito junto aos jardins caquécticos da casa de S. Pedro do Sul, deixara de chover, o fígado pifou uma vez mais, constipação

Ou

O pai retratava o filho com imagens a preto e branco, no tornozelo uma fitinha azul com o nome e o dos progenitores, e se fosse hoje, e se fosse hoje juro

Tinha-me inventado.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

As veias que não tenho medo de quê?

Francisco Luís Fontinha 5 Dez 12

As veias que não tenho

porque vendi-as para comer

as mãos que me tremem

porque também as vendi

não para comer

apenas porque senti

vontade

desejo

de deixar de escrever

morrer caminhando suavemente sobre a neve invisível

que desce a montanha

as veias que não tenho

e que ninguém amanha

estas palavras poucas

ou loucas

bocas em revolta

que este povo apanha

porrada

desemprego

fome

medo

medo de quê?

revolta-te se ainda tens veias

revolta-te se ainda não vendeste as tuas veias

para comer

para escrever

ou simplesmente para amar

mas revolta-te por favor

revolta-te homem do mar...

medo de quê?

porrada

desemprego

fome

medo

medo de quê?

não há medo que adormeça um homem

não há palavras que acorrentem os braços do homem

que não se deixa adormecer

pelo medo

pela fome

medo de quê?

revolta-te homem.

 

(não revisto)

A saliva do amor

Francisco Luís Fontinha 4 Jul 12

A alma encontrou

trabalho

finalmente

 

nas muralhas curvas do sexo

a saliva do amor

misturada na noite de flor queimada

em papelinhos de néon

 

a rua entupida de chulos

e beatas tontas e ratazanas voadoras e espantalhos barrigudos

comedores de palha seca e erva doirada

da lezíria

a erva levemente enfeitada

alimentando a beleza das mamas da tia Margarida

“que deus a tenha em descanso debaixo das tábuas da insónia”

nas curvas sinuosas do sexo

 

A alma encontrou

trabalho

finalmente

 

(não é sexta-feira e já estou teso)

nas muralhas curvas do sexo

ressequidos pelas valetas dos vapores de iodo

e do prato de enxofre que não se cansa de arder

enquanto a noite dentro da estrada sinuosa da vida

distrai-se abrindo e fechando janelas de brincar

finalmente

finalmente encontrei trabalho

numa montra da rua do Alecrim

um balcão de chocolate

com mesas de algodão doce

eu vi

eu via a noite travestida de lua cheia

 

saltar para o interior

de um buraco inoxidável

filho da cidade dos desejos

de danças e telegramas e palavras de mandioca

e oiço a voz da morte

à lareira da poesia com pequenos goles de incenso

 

deixei de ouvir-te

obedecer aos teus caprichos e imposições

deixei de de ser eu

e fui

e transfigurei-me num edifício em ruínas

livremente entre o ácido e o aço

e quatro paredes de vidro

sem fotografias

sem literatura

de água docemente uiva de dor

sem braços sem pernas

sem cabeça

 

o espelho da fechadura

recorda-se da morte quando beija as agulhas sibiladas do silêncio

os cigarros deixaram de passear na biblioteca

e vou alimentando de palavras embebidas em vodka os meus pulmões de cetim

adormecidos à beira-mar

um passeio entre duas páginas

e o poema malcriado fica de castigo

“cabeça para baixo e as rimas estão proibidas de irem à janela”

 

e curiosamente

hoje mergulhei nos rochedos

quando ouvi as doze badaladas insípidas

das marés envenenadas pelas facas de vidro

 

(A alma encontrou

trabalho

finalmente).

Sobre o autor

foto do autor

Feedback