Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Dez 13

foto de: A&M ART and Photos

 

há uma ordem indefinida que habita no centro do teu corpo

a tempestade preguiçosa dos barcos encarnados abraçam-se a ti

e tu parecendo uma ardósia em fim de tarde

escreves-te e alimentas os volantes e êmbolos da tristeza

escreves-te e gaguejas as palavras mortas que o vento transporta

como nuvens de poeira sobre a pele húmida da paixão...

apaixonado sempre

sempre... como um vulcão entranhado na montanha dos sonhos

trazes-me os cinzeiros com asas voláteis depois dos desalojados cigarros partirem na tua mão

recordas-te do silêncio

e acreditas nas pedras quentes dos telhados invisíveis da insónia

há uma ordem secreta dentro de ti que não quer movimentar-se na roldana dos beijos cinzentos,

 

lembras-me as chuvas endiabradas das sanzalas com telhados de cacimbo

eu chorava porque tinha acabado de perder um simples papagaio de papel

tinha quatro cores

e... e um velho cordel

havia em ti uma ordem

que do centro do teu corpo ao meu olhar perdia-se como se perderam todas as sombras do desejo

e despejados nós

continuamos a procurar marés de papel das cartolinas suspensas nas paredes da velha escola

hoje

sei...

sei que há uma ordem embrenhada na desordem

e as tuas vãs palavras vivem no caos da solidão.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:54

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

caos

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO