Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

29
Mar 11

Despeço-me das horas

Ao ritmo de um relógio sem corda

Que na parede da solidão

Me olha e condena à morte

 

O meu corpo faz a travessia do fogo

E eu prisioneiro no pêndulo

À espera que os meu braços me venham salvar

Quando a maré acorda

 

E o meu corpo incha

Uma gaivota começa a comer-me

Junto ao refúgio

Onde estão enterrados os meus sonhos

 

Do meu corpo em putrefacção

Apenas ficou a minha mão

Que diz adeus

Ao relógio sem corda.

 

 

FLRF

29 de Março de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 10:03

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Despeço-me das horas

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO