Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O miserável feliz

Francisco Luís Fontinha 2 Fev 12

A vida aos poucos comeu-lhe a alegria e a vontade de viver, sobre ele poisou um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguiram antes de acordar a noite,

- Nunca tive sorte ao amor Queixava-se em conversas informais entre meia dúzia de imperiais e tremoços, Queixava-se da falta de sorte com o dinheiro, Queixava-se de sempre ter vivido num estado de abandono, e quando nada mais havia do que se queixar, Queixava-se do governo e dos políticos,

E o leitor tem toda a legitimidade em questionar-me

- Será que a vida come alegrias e vontades?

E o leitor tem toda a legitimidade em questionar-me O que tem de trágico não ter sorte ao amor?, de trágico nada, a tragédia existe quando não se tem sorte ao amor, a tragédia existe quando não se tem sorte com o dinheiro, e meus amigos, a pior das tragédias é precisamente viver quase num estado de miséria encoberta por um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguirem antes de acordar a noite, isso sim uma verdadeira tragédia,

- E com a crise em que vivemos Entre imperiais e tremoços Chineses ele dizia-nos que No Money No Amor, evapora-se e foge como o diabo da cruz, porque amar um miserável só em literatura, e mesmo assim, e mesmo assim… talvez uma das personagens de Dostoiévski conseguisse amar o dito miserável, mas não esquecemos que quem escreveu os miseráveis foi o grande Victor Hugo, mas não esquecemos que os tempos eram outros e que a Rússia nunca mais foi a mesma desde que as almas mortas de Nikolai Gogol morreram de fome e de miséria enquanto um Czar pançudo passava a tarde inteira a morfar esturjão grelhado e embebia-se na vodka e cantava e dançava…, e não pensem vossemecês que Victor Hugo era Russo, porque não era,

E o povo pá? Digamos E as almas pá? As almas morriam,

E entre idiotas e crime e castigo e entre as noites brancas e o jogador ou entre as recordações da casa dos mortos e o eterno marido… mendiga à janela o eterno marido abraçado a gente pobre,

- E na literatura existe sempre um miserável ou um atrofiado que sofre de amores, ou na pior das hipóteses, na literatura existe sempre um miserável e um atrofiado que sofre de amores, o chamado dois em um, homem de boas maneiras e educado, culto e inteligente, mas quis o destino que fosse miserável,

E embebia-se na vodka e cantava e dançava… e ainda hoje quando olha para uma garrafa de vodka poisada na prateleira de vidro semeada com grãos de pó um crucifixo contrai-se-lhe no estômago e um tambor de alumínio que sobejou de uma máquina de lavar roupa entra em centrifugação, e o Czar tomba como se fosse uma árvore embriagada depois de uma noite de vento,

- Será que a vida come alegrias e vontades?

Pois… não sei, mas verdade verdade é que os temas dos livros de  Dostoiévski ou de Nikolai Gogol são atuais e estão na moda e que esta merda não mudou de então para cá e nunca mudará, e não esquecendo o nosso Eça de Queirós “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão e ele saberia certamente o que estava a dizer, só desconhecia que em princípios do século XXI as razões fossem o cheiro intenso a merda,

A vida aos poucos comeu-lhe a alegria e a vontade de viver, sobre ele poisou um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguiram antes de acordar a noite, morreram de fome e de miséria enquanto um Czar pançudo passava a tarde inteira a morfar esturjão grelhado e embebia-se na vodka e cantava e dançava…

E ainda hoje, e ainda hoje enquanto morremos de fome eles cantam e dançam…, e tombam como se fossem árvores embriagadas depois de uma noite de vento.

 

(texto de ficção)

Sobre o autor

foto do autor

Feedback