Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

E agora o que faço?

Francisco Luís Fontinha 4 Mai 11

Desço a encosta e finto as rochas de xisto, tropeço, levanto-me com sacrifício até chegar ao rio, sinto-me cansado, preciso urgentemente de me sentar e olhar a corrente, pegar na minha mão e chapinhar na água límpida da manhã. Sorrio e fecho os olhos, abro os olhos e vejo-me no espelho do rio, o meu rosto não eu, o meu rosto um ramo de flores, fico com medo, e percebo que durante a noite alguém substituiu o meu rosto envelhecido por um ramo de malmequeres. E agora o que faço?

 

- E agora o que faço? Encosto-me à paisagem e dos meus olhos emergem lágrimas de pólen e aos poucos deixo de ver as nuvens, e tenho a certeza que uma abelha poisa no meu rosto de malmequer, eu não eu, eu um ramo de malmequeres cortados durante a noite enquanto lutava com uma aranha que invadiu o meu sono, e começo a sentir nas costas as pedrinhas da encosta, apenas oiço o rugido da água e peixes em saltos acrobáticos voltando novamente a mergulhar na água e desaparecerem dos meus ouvidos, e deixo de ter silêncio.

 

E agora o que faço?

 

Sorrio e fecho os olhos, abro os olhos e vejo-me no espelho do rio, um cigarro alimenta-me e por momentos esqueço que o meu rosto envelhecido é um ramo de malmequeres, pergunto ao rio, pergunto-me a mim, e quando os malmequeres deixarem de ser malmequeres, e quando o poema deixar de ser poema e as palavras o rugido da água e peixes em saltos acrobáticos voltando novamente a mergulhar na água e desaparecerem dos meus ouvidos, e deixo de ter silêncio, e deixo de ser eu…

 

- E agora o que faço?

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

4 de Maio de 2011

Alijó

Sobre o autor

foto do autor

Feedback