Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

16
Abr 16

Acordou a manhã, o sifilítico cansaço da espera regressa após vinte e quatro horas de ausência, termina o tempo, ao revés do dia traz a noite os conflitos do dia, a paixão amargurada quando o papagaio de papel sobe e perde-se no Céu, o orvalho dentro de mim em pequenos salpicos de sangue, tenho pena do Ricardo, tenho pena da Madalena, e o sangue

Hoje vi-te pela primeira vez, tinhas no olhar o mel da madrugada, tinhas nas olheiras o rio da paixão, quando a noite geométrica de um cardo dorme, senta-se sobre o tapete do silêncio, a noite habitada pelos fios de nylon das pirâmides de vidro, tinhas fome, escondias-te num verso envenenado pelo cio, engatava-te como se engatam gajos em Belém, não faz mal, o tempo há-de dar-me razão, um dia, quando partires para as borboletas em flor, não havendo outro, vou eu, velho, submerso em ossos perfumados das sílabas de papel, não faz mal, não importa, e o sangue,

E o sangue rebelde nas veias de um covarde, o doente malcriado, sonâmbulo e indisponível das auroras assustadas, Ricardo e Madalena

Amanhã, meus queridos, amanhã,

E Ricardo e Madalena enjoados pelas umbreiras da loucura, a casa parecia uma espelunca recheada de rochedos, o sono, o lixo espalhado por cada milímetro quadrado, em esquadria, ele mentia

Está tudo bem meu amor, está tudo bem,

E ele mentia, não estava nada tudo bem, não havia locomotivas com sabor a Primavera, e ele, lá longe, entre gemidos,

Madalenaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Lindíssima,

O era, confesso que nunca mais abri a porta de entrada, a sala sempre escura, negra, vazia, e o escuro sentado no sofá da inocência,

Dormes?

Acordou a manhã, a alegria do nascer do dia, o rosto inclinado do homem do terceiro esquerdo, os gemidos de Madanela, UIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII, ao fundo o rio, o Tejo entre os parêntesis da meninice dela, os lábios, o engate junto ao copo de uísque, já está, esfregava ele as mãos,

Tenho medo, confesso que nunca tive jeito para a escrita, não gosto de escrever, ler, gosto é de brincar num jardim junto ao rio,

Dormes?

Claro, acordou o dia, madrugada provisória numa greve de fome, tenho fome, abraço-te e beijo-te, levo-te para o quarto, encostas a cabeça ao meu peito e choras, recordas as manhãs numa qualquer rua da cidade entre bebidas baratas e quartos de esconderijo, claro que este corpo pertence-te, sempre te pertenceu, mas não gosto dele, mas não tenho braços para arcar com tanta dignidade, sobre a cama, ele parecia uma árvore em poiso, sobre a cidade, o rio, o barco que fode o rio, e o rio que mata o amor da minha vida?

Lindíssima.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Domingo, 17 de Abril de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:56

16
Abr 15

Radiografia de orgasmos

Acompanhando os ossos do sofrimento

Descem à tua mão os lábios

Que o beijo pintado

Nas veias do vento

Escreve na caneta de tinta permanente

As palavras

As palavras que não consigo dizer

Porque a minha boca

É uma prisão

Em sabão

Sem nunca ter regressado

 

Às coxas

Tuas pinceladas coxas

Meu amor

Ou não meu amor

Tanto faz

Na minha idade

Ser amado

Amar

Ou… um palhaço pintado

No olhar da serpente de ferro

Nas sombras de Lisboa

Meu amor

 

Ou não meu amor

Amo

- A mim?

Amo Lisboa e o seu rio

Os marinheiros embriagados pelo fado nocturno do silêncio

A morte da guitarra

Meu amor

Ou não meu amor

Eu

Perdido

Numa estrada curvilínea

Assassina nas horas vagas

 

Faz uns bicos

Gama umas carteiras vazias

E foge

Leva os filhos e os não filhos

Leva as sebentas

Recomeça o curso

Uma treta

Comparando um curso

Com… com a tua letra

Das cartas rejeitadas

Meu amor

Ou não meu amor

 

A música cansada das tardes de Domingo

A fotografia da Igreja junto à lareira

Ouvia o sino enquanto lia no quarto

Três da madrugada

Tu à janela desenhando cigarros na fome melancólica da paixão dos pássaros e dos peixes desta ilha funda e deserta, coitados dos homens apaixonados, compram livros, vestem as personagens de noite

E

Engate

O automóvel alicerça-se ao asfalto do prazer

Lá dentro

Gemem poemas

E engate

Às três da tarde

 

Consultório

A clínica esperando o engatado

Uma coisa simples

Bom homem, culto, esbelto… e… uma coisa simples

A liberdade de amar

A liberdade de ser amado

Ou

O engate

Odiado

Como as candeias da prisão de Caxias…

E coisas

Coisas de coisas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 16 de Abril de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:02

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO