Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

10
Mar 11

Ele não sombra empoleirada nos ramos dos plátanos, ele triste caminhando em diagonal como se fosse um fecho éclair, e da rua os não sorrisos à espera do luar, e o não luar aos desesperos que em breves momentos se dirigiam ao silêncio em passos adormecidos, e das sílabas ele,

- estive sempre aqui, porquê?

Apenas o espelho do guarda-fatos lhe escrevia sorrisos nos lábios, e ele semicerrava os olhos numa constante agonia, sofria com o cair da noite, e no cair da noite construções de olhares à espera das lágrimas junto às roseiras, uma abelha brincava nas pétalas e nas pélas ele escrevia textos que à partida tinha a certeza que jamais iam ser lidos, lixo, textos lixo, ele lixo, e dentro de um contentor de madrugadas preso nas manhãs quando chovia, e hoje não chove, e hoje uma abelha saltita nos lírios do campo, o campo deserto, e ele engasgado na escuridão,

- estive sempre aqui…

Para que servem os amigos?

Aos poucos tremiam-lhe as mãos, e aos poucos os duzentos e seis ossos do seu corpo começavam a transformarem-se em pó, e do pó ele recordava,

- o meu corpo rangia na madrugada fria e longa, o meu corpo tremia e nada que eu pudesse fazer, e eu sabia que com uma simples prata de alumínio tudo passava, e o meu corpo feliz, e uma simples bolha castanha em corridas apressadas, ora para cima, ora para baixo, eu guloso, o tubo a pingar de barriga cheia, e eu aos poucos a transpirar dores de costas, o frio passava e a diarreia terminava a leitura dos textos de literatura,

Para que servem os amigos?

Estive sempre aqui sentado, quieto, imóvel, um perfeito inútil, e os petroleiros apressadamente junto à barra gritam-me e eu sem paciência para os petroleiros, eu lixo que escreve lixo, e do lixo alimento-me quando acordo, não tenho fome, nunca tive fome, estive sempre aqui empoleirado nos ramos dos plátanos, e sobre outros ramos pássaros a despejar porcaria na minha cabeça, eu lixo, ele triste à espera do pôr-do-sol, e o pôr-do-sol hoje não vem,

- porquê?

- o frio passava e a diarreia terminava a leitura dos textos de literatura, e a literatura lixo, e hoje não chove, e hoje não heroína, e hoje eu quem sou?

Ele permaneceu imóvel junto ao cais, não barcos, não pôr-do-sol, e felizmente, hoje e há muito tempo, não heroína…

- Estive sempre aqui…

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

10 de Março de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:23

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Estive sempre aqui…

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO