Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Estive sempre aqui…

Francisco Luís Fontinha 10 Mar 11

Ele não sombra empoleirada nos ramos dos plátanos, ele triste caminhando em diagonal como se fosse um fecho éclair, e da rua os não sorrisos à espera do luar, e o não luar aos desesperos que em breves momentos se dirigiam ao silêncio em passos adormecidos, e das sílabas ele,

- estive sempre aqui, porquê?

Apenas o espelho do guarda-fatos lhe escrevia sorrisos nos lábios, e ele semicerrava os olhos numa constante agonia, sofria com o cair da noite, e no cair da noite construções de olhares à espera das lágrimas junto às roseiras, uma abelha brincava nas pétalas e nas pélas ele escrevia textos que à partida tinha a certeza que jamais iam ser lidos, lixo, textos lixo, ele lixo, e dentro de um contentor de madrugadas preso nas manhãs quando chovia, e hoje não chove, e hoje uma abelha saltita nos lírios do campo, o campo deserto, e ele engasgado na escuridão,

- estive sempre aqui…

Para que servem os amigos?

Aos poucos tremiam-lhe as mãos, e aos poucos os duzentos e seis ossos do seu corpo começavam a transformarem-se em pó, e do pó ele recordava,

- o meu corpo rangia na madrugada fria e longa, o meu corpo tremia e nada que eu pudesse fazer, e eu sabia que com uma simples prata de alumínio tudo passava, e o meu corpo feliz, e uma simples bolha castanha em corridas apressadas, ora para cima, ora para baixo, eu guloso, o tubo a pingar de barriga cheia, e eu aos poucos a transpirar dores de costas, o frio passava e a diarreia terminava a leitura dos textos de literatura,

Para que servem os amigos?

Estive sempre aqui sentado, quieto, imóvel, um perfeito inútil, e os petroleiros apressadamente junto à barra gritam-me e eu sem paciência para os petroleiros, eu lixo que escreve lixo, e do lixo alimento-me quando acordo, não tenho fome, nunca tive fome, estive sempre aqui empoleirado nos ramos dos plátanos, e sobre outros ramos pássaros a despejar porcaria na minha cabeça, eu lixo, ele triste à espera do pôr-do-sol, e o pôr-do-sol hoje não vem,

- porquê?

- o frio passava e a diarreia terminava a leitura dos textos de literatura, e a literatura lixo, e hoje não chove, e hoje não heroína, e hoje eu quem sou?

Ele permaneceu imóvel junto ao cais, não barcos, não pôr-do-sol, e felizmente, hoje e há muito tempo, não heroína…

- Estive sempre aqui…

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

10 de Março de 2011

Sobre o autor

foto do autor

Feedback