Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Mar 15

Todas as coisas belas

Dormem no meu peito

Sinto o abismo do silêncio na alvorada manhã

O teu corpo voa

O infinito

Das pálpebras apaixonadas pelo cansaço

Os sonhos imperfeitos

O cadeado da insónia submerso na seara adormecida

Hoje

O teu corpo

Voa

Como voam todos os cadáveres da paixão,

 

Sinto nos meus dedos os narcisos das palavras desassossegadas

E sei que durante a noite

Uma flor nasce

No teu olhar

No jardim da tua boca

Todas as coisas belas

Fogem

Ou morrem

Mas as imagens permanecem intactas

Ossos

Poeira sobrevoando as aldeias solitárias

Ou morrem,

 

E fogem

Como pássaros embainhados nos cofres do amor…

Caminho no Oceano

Procurando barcos

E âncoras de espuma

Telas embalsamadas

Nas paredes do medo

E fogem

E morrem

As andorinhas

E os candeeiros da cidade

Do exílio entre sombras e sombras…

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 24 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:39

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
25
26
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Sombras e sombras…

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO