Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Sem muros, a seara livremente em movimento, a seara alegremente voando como os teus doces dedos quando se entranham no meu branco cabelo, e algumas das minhas folhas, ainda por escrever... vão-se alicerçando nos braços da madrugada, venho de ti chorando porque percebi que as cadeiras da vida, algumas, não muitas, estão a morrer, primeiro o maldito bicho, depois... depois... a maldita morte, e depois, bom, depois a tua aspereza dos violinos em flor, havia sons que mal distinguíamos nos soníferas luzes da noite, e o castanho corpo teu... amaldiçoado pelo cansaço

Tomba,

O musseque engorda,

A sanzala incha como pequenos frascos em vidro quando miúdo colocávamos grilos e outros bichos, nãos os que matam as cadeiras da vida, estes, estes apenas nos roubam os sonhos, roubavam, porque hoje, nem bichos, nem sonhos, nem... nem o teu corpo castanho,

Tomba,

Entre os charcos acabados de preencher como o impresso de candidatura com o respectivo currículo, depois de entregue

Lixo,

Depois de entregue

Nem para limpar o cu serve,

“Brancooo é papel e só serve para limpar o cu”, gritavam elas,

E a sanzala inchava, crescia, multiplicava-se,

Lixo,

Sem muros, como vértices de areia engolidos por sexos baratos, regressava da feira da Ladra apenas com as cuecas e pouco mais, a vida de difícil passou a horrível,

E a diferença

Está no número, de autocarro é um, de eléctrico... talvez seja outro, mas todos vão dar ao mesmo, e todos me levavam de regresso, entrava em casa, subia as escadas tão devagar que nem as ratazanas davam pela minha presença, mas ela

Isto são horas de chegares?

E eu perguntava-me se existem horas certas para regressar a casa, mesmo apenas em cuecas, se existem horas certas para as refeições...

Horas, tem horas?

Não, não as tenho, sou alérgico,

Mas ela entre perguntas e respostas, entre o vai e o vou, fui e nunca mais voltei à sanzala, cansei-me das viagens nocturnas pelas avenidas transatlânticas com bancos em madeira e pássaros de pedaços papel, fartei-me da cubata apenas só com uma porta de entrada, e juro

Detesto,

Juro que me irrita entrar e sair sempre pelo mesmo sítio, parece de loucos, e de loucos, juro, preferia entrar pela porta e sair pela janela, mas a cabra da cubata nem janelas tem, nem cortinados tem, nem tecto onde suspender um par de calças

Tem?

Não, não tem não,

E entro em casa de cuecas na mãos, ela

De onde vens tu'

Venho da lua, venho do mar, venho de onde não te interessa,

Adeus,

Era Domingo, acordei cedo, sem muros, a seara livremente em movimento, a seara alegremente voando como os teus doces dedos quando se entranham no meu branco cabelo, e algumas das minhas folhas, ainda por escrever... vão-se alicerçando nos braços da madrugada, venho de ti chorando porque percebi que as cadeiras da vida, algumas, não muitas, estão a morrer, primeiro o maldito bicho, depois... depois... a maldita morte, e depois, bom, depois a tua aspereza dos violinos em flor, havia sons que mal distinguíamos nos soníferas luzes da noite, e o castanho corpo teu... amaldiçoado pelo cansaço

Tomba,

E O musseque engorda...

 

 

(não revisto – ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 24 de Agosto de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:09

24
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

O corredor encastrado nas rochas sobre lâminas pulmonares que sobejavam das cansadas manhãs de sobriedade, o corredor, altíssimo como o abismo, e aos poucos deixava de ver-se o tecto, dando a terrível sensação de claustrofobia, parecendo ao olhar do simples comum que as duas paredes se uniam no infinito, evidentemente que não, e a largura do tecto milimetricamente igual à largura do pavimento térreo, onde as tuas sombras mergulhadas em asas de pequenos tecidos réstios, recordando-me paisagens da África do Sul ou Austrália, recordando-me silêncios submersos em canções melódicas em roda de uma fogueira, quando recheada a noite, vinham até mim, sem perceberem que eu os desejava, os esperava, vinham até mim pequenas lascas de vento, saboreava-as, e claro que quando adormeciam debaixo de ti os recusados orgasmos matinais que dos cortinados do medo remexiam páginas e pequenas folhas dispersas sobre a mesa em fórmica barata que tinha adquirido numa das minhas visitas à feira da Ladra, apetecia-me comprar uma pistola, munições de argila, e brincar como as crianças, imaginando alvos, imaginando vidros, na escola, quando pontapeava uma bola em borracha, e a milhas da baliza, quebrava um dos grandes vidros da janela onde hoje habita a biblioteca municipal,

coisas de putos,

E de “Putas”,

coisas de gajos como eu, desajeitado, imprimido numa madrugada em mil novecentos e sessenta e seis, pior do que isso, um belo domingo de Sol, era verão, e era Janeiro, havia flores em redor da maternidade algures esquecida na cidade dos sonhos, para uns, desejos, para mim, pesadelos, e para ela

A cidade da vaidade, da arrogância, uma cidade em pedras comendo as lâminas pulmonares dos homens com janelas quebradas por um miúdo desajeitado, um miúdo, estúpido, um miúdo que depois de crescido, ficou palhaço, o circo entra cidade adentro, o miúdo esconde-se nas catacumbas do desassossego, porque sempre que o corredor aumentava em altura, notava-se, que, não sei... mas parece-me que aumenta também em comprimento,

cumprimenta o senhor General, Margarida Armanda,

Bom dia, senhor General,

coisas de putos,

E de “Putas”,

uma fogueira, quando recheada a noite, vinham até mim, sem perceberem que eu os desejava, os esperava, os comia mesmo antes de entrarem em mim, (bom dia, senhor General), e ele fazia-a acreditar que a lua era redonda, e que das nuvens, depois do prazer aconchegado das mãos do senhor General, eram de algodão, porco, filho da puta, e dizia-se que era normal, as meninas, mandadas pelos pais, cumprimentarem o senhor general,

Bom dia, senhor General,

e o prazer transformava-se em dor, e as pedras da parede do corredor, algumas, transformavam-se em pequenas bonecas, bonecos, e estrelas

E de “Putas”,

que ficavam no céu até acordar o dia, deitávamos-nos quando os machimbombos começavam as alegres caminhadas palas ruas da cidade, havíamos de conquistar as sanzalas com meninas que diziam ao acordar

Bom dia, senhor General,

palhaço, o circo entra cidade adentro, o miúdo esconde-se nas catacumbas do desassossego, porque sempre que o corredor aumentava em altura, notava-se, que, não sei... mas parece-me que aumenta também em comprimento, e a tristeza na proporcionalidade de cinco para um, desfaz-se em pequenos grãos de areia, ela agachava-se para espantar o medo

Bom dia, senhor General,

e o medo sabia a lágrimas como capim enrolado na ferocidade dos mabecos que durante a noite, entravam nas casas, e subiam à cama das meninas, e numa voz dilacerante, ouviam-se-lhes

Bom dia..., bom dia, senhor General.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:44

27
Mai 11

Esqueço-me que os dias correm apressadamente no meu pulso, e o meu corpo suspenso junto a uma tenda na feira da ladra, um velhote sorri-me, um velhote pisca-me o olho, faz-me sinal, e eu, por entre a multidão, piso-lhe a sombra, viro à direita e atraco num barracão, entro, mas antes de entrar, eu olho-me ao espelho do portão de entrada, ferrugento como um cacilheiro perdido na neblina, sinto o cheiro do Tejo, tenho farrapos para troca, mas ele, ele só disponível para vender, e sendo assim, não negócio, sendo assim vou ter de endrominar o velhote, o meu camarada,

- o meu camarada ofendido com a minha filosofia, o meu camarada em silêncio junto a um amontoado de botas militares, diverso fardamento, trapos,

O velhote insistia comigo que não trocas, só vendia,

- se precisar tenho pistolas, facas, munições, e com jeitinho, com jeitinho até lhe vendo uma metralhadora,

Só se for para enfiar no rabo, olha agora, de que me serve uma metralhadora, isso temos nós muitas no quartel,

- e nós só precisamos de trocar fardamento que gamamos e que pertencia aos desertores, trapos, alguns ainda do tempo colonial,

Eu falava, ele escutava-me com atenção, e possivelmente confundi-o, possivelmente ele a pensar que eu feirante, e eu nada, eu apenas um gajo que tinha saído de Trás-os-Montes e gostava de ler livros, e o velhote parecia enfeitiçado, mas não estava, mandou-nos semear no pavimento todos os trapos que levava-mos, passo-lhe a lista para as mãos, roupas necessárias para efectuarmos o respectivo espólio, troca feita, troca feita e ele,

- cinco contos está bem?

Olhamos uns para os outros, ficamos em silêncio, tudo indicava ser um óptimo negócio, pois só o casacão custava quinze contos,

- vou à carteira para retirar os cinco contos, mas tinha percebido mal, o velho é que ficava com os nossos trapos em troca do que precisava-mos e dava-nos cinco contos, e enquanto eu recebia o dinheiro, o outro, o meu camarada Moreira ainda com tempo de roubar um par de botas ao velhote,

E isso não se faz, esqueço-me que os dias correm apressadamente no meu pulso, foi uma festa, e só conseguimos regressar ao quartel ao final da noite, perdemo-nos no Tejo, e o vento era tanto, tanto o vento que os nossos corpos pareciam folhas de papel rodopiando na calçada… mas chegamos, e tesos… 

 

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

27 de Maio de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:54

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO