Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

11
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

A face oculta do silêncio entre quatro esquinas de paixão,

o sofrimento que cresce, que dorme... que alimenta o cansaço do triste Inverno,

as três pedras da literatura que habitam sobre ti como rios indomáveis, doentes...

como solidões prisioneiras nas árvores do medo,

a face da maré envenenada quando os peixes voam na cidade do inferno,

quando o vento bate na tua janela e cedo percebes que a madrugada não existe,

que ela não é mais do que uma sílaba tonta nos lábios de um homem de palha molhada,

que hoje me sinto tão cansado... que perdi a minha face na lareira do fim de tarde,

 

A face tua que me deixa nas penumbras luzes dos holofotes de areia,

a palavra não dita,

esquecida,

a palavra maldita que transportas na tua boca...

 

Que hoje, hoje pareço um farrapo mergulhado em fenol...

 

A face planície das gaivotas de porcelana,

às tuas mãos o distante caminho da esperança,

acreditas,

e fazes-me acreditar nos lençóis de amianto,

nas flores em papel crepe,

no orvalho,

e na geada envelhecida das noites sem poesia,

e o poema morre nos teus olhos de vidro...

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:02

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO