Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Dez 11

A solidão dói

A cabeça incha

O corpo mingua

 

Sobejam flores de saliva

Nos meus lábios de algodão

Afina-se um fio de luz na garganta da morte

Onde abelhas sem asas brincam com as nuvens de ontem

E na água silenciosa da manhã

Mergulha o rio da saudade

 

A solidão constrói sorrisos

Nos cortinados amarrotados do corredor sem portas

O teto desce até ao soalho

 

E a dor da solidão

Enrola-se à cabeça inchada

Suspensa no corpo invisível

Sem portas

Sem janelas

Ente o teto e o pavimento

 

O corpo minguado desfaz-se em poeira

E o vento a leva

E o mar a engole

Na garganta da morte

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:18

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

A garganta da morte

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO