Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Cai um silêncio na esplanada

Francisco Luís Fontinha 30 Jun 11

Mulheres,

Uma duas três quatro casas decimais em volta de uma mesa de papel, na esplanada a voz submersa nos lamentos do dia-a-dia, e falta ceresitar os cabelos pendurados no sol, as ovelhas no pasto sentadas no passeio muito bem muito bem muito bem, e apoiado e apoiado, uma porque o filho não come outra com as tardias horas a que o marido atraca em casa, e outra que a ferrugem dos barcos entra-lhe pela janela e corrói o penteado da mãe, as sílabas que escorrem pelas páginas do livro de receitas da avô, o filho mais velho às cabeçadas na poeira castanha que caminha todas as tardes na prata de alumínio e a bolha no final da rua muda de direcção e mais uma voltinha e inserir a moeda na ranhura, as veias crescem como as algas e agarram-se ao casco dos veleiros estacionados à porta do vendedor ambulante, decadência de um corpo em pedaços de aço, lascas de pele que se multiplica na areia e o mar as leva, e o mar tudo leva, nos azulejos da cozinha as manchas de amarelo, o doutor Pássaro diz que deve ser fígado,

- A vida é uma merda sabes,

Cai um silêncio na esplanada,

A barriga inchada e as pálpebras a transpirarem junto aos choupos, a ribeira cruza-se com a esquina da pastelaria, uma chávena levanta do pires e abraça-se ao batom dos lábios, o vermelho lacerante das pétalas de rosa, o doutor Pássaro em receituário estremunhado faz prescrições de Lamivudina AMPDR 300 miligramas duas vezes por dia e descanso, descanse que quando der por ela a hepatite pela sarjeta em postas de bacalhau, na tasca os copos vazios em fileira à porta da repartição, os homens de pila murcha esperam e desesperam, e o gordo por detrás do balcão abraçado ao garrafão de branco e o branco recusa-se a abrir as portadas para o jardim, os clientes desesperam e nos cigarros acende-se a esperança na secura das horas,

- Tenho a impressão que o meu marido tem uma amante,

A secretária do doutor Pássaro,

Deitada na marquesa à espera que o paciente termine a radiografia à vesícula, não respira e só mais um pouquinho e sorria e sorria, e a vesícula da menina Gaivota presa no soutien, e que chatice diz ela emersa nas mãos do paciente impaciente senhor Gavião que lhe limpa as gotinhas de suor das estrelas dos seios e que chatice esta chuvinha no final da tarde, as chávenas e os pires em passo apressado para o interior adormecido da pastelaria,

- Não sai do consultório do doutor Pássaro,

O fígado incha na clarabóia da noite,

O capacete do militar às cabeçadas no muro de betão e em gritos escrevia nas nuvens de Belém FIZ MERDA FODI-ME, o enfermeiro de porta aberta em leituras de jornal, e em cada dor diferente a mesma rodela amarela, e eu questionava o enfermeiro que ainda ontem tinha tomado uma rodela igual para a dor de cabeça e ele em resposta de artigo dizia-me que SERVE PARA TUDO, diarreia bicos de papagaio reumatismo estômago, e de dentro do frasco de vidro as rodelas amarelas olhavam-me, e eu quando na noite adormecia com a garrafa de vodka à cabeceira o enfermeiro pela manhã à minha espera na parada com a rodelinha amarela para a formatura, botas engraxadas e barba desfeita e uma mísera gravata suspensa no pescoço, o chão betuminoso começava em rotações salientes e às vezes eu quase que tombava, e às vezes ouvia o Tejo que me chamava e eu, eu corria em seu auxilio, o doutor Pássaro a vesícula da menina Gaivota e o paciente senhor Gavião à minha espera na esplanada, eu sentava-me e confundia as conversas com os barcos que regressavam de longe, trocava a vesícula por hepatite e de vez em quando ouvia eles falarem nas gotinhas de suor das estrelas dos seios, e nunca até hoje percebi o que isso quer dizer; poisava a chávena no pires e num cigarro de trovoada deixava os olhos nas carruagens do comboio para Cascais.

Vinha a noite, e as putas, e as putas das noites insuportáveis quando a vodka se escondia no estômago do cansaço.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback