Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Jan 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Não me perguntem porque desejo tanto o mar

porque sou uma lâmina em papel voando sobre a alvorada embriagada

não quero pertencer aos corações de areia

às janelas sem vidros ou... ou com eles estilhaçados...

não... não me perguntem o que são noites em solidão

masmorras com sabor a limão

mesas candeeiros e portas de entrada em constipação...

não me perguntem pelas palavras mortas

suicidadas

esquecidas

velhas...

… ou cansadas,

 

Não me perguntem pelo verdadeiro amor

embrulhado em lençóis de paixão

não quero saber do luar

da luz

das calçadas com pedras de chorar

não... não me perguntem pelos sábados à noite entre uísque e lágrimas de poesia

corpos despidos pedindo clemência às cordas de nylon em fantasia...

… ou cansadas

não

não me perguntem pelas tristes madrugadas

cintilantes seios no meu peito em granito censurado...

não me perguntem porque desejo tanto o mar.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 12 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:31

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Granito censurado

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO