Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Os gritos das bolhas castanhas...

Francisco Luís Fontinha 1 Set 14

Pediram-me silêncios...

e eu, nas nuvens amarguradas da tempestade da insónia,

desenhei... gritos,

transformei abraços em pedaços de madeira,

escrevi beijos em bandejas com flores grisalhas,

tinham cabelos cinzentos,

os homens das esplanadas inventadas,

depois... depois sentei-me no pôr-do-sol,

chamei a mim a tristeza do fim de tarde,

peguei num cigarro quase moribundo... e vi-o morrer nos meus dedos,

sentia-lhe os últimos desejos,

sabia que pouco tempo depois morreria como um desprezado,

como tantos homens morrem,

como tantas crianças nascem...

como tantos cinzeiros esquecidos num roseiral,

pediram-me silêncios...

e pintei nas pratas enroladas do invisível desassossego,

bolhas castanhas com odor a calafrios...

o corpo emagrecido rangia,

os alicerces destruíam-se enquanto o vento se escondia numa locomotiva abandonada,

sem percebermos que nunca existiu um ponto fixo de chegada,

havia lanternas com dentes de marfim,

tínhamos no sótão um guindaste de brincar,

abríamos a janela,

e puxávamos o mar,

só para nós...

até que uma fina película de cacimbo comeu-nos as bolhas castanhas...

o corpo começou a arder,

os braços ancoravam-se aos indolentes amanheceres...

vi uma luz que vivia dentro de uma caixa de vidro,

acenou-me... e no tecto começaram a nascer gaivotas,

ouvíamos os apitos dos barcos de papel,

e nenhum marinheiro se atreveu a resgatar-nos dos gritos das bolhas castanhas...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback