Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Há de haver um rio

Francisco Luís Fontinha 19 Out 11

Há de haver na minha mão

O verbo morrer

Há de haver no meu cansaço

Palavras para escrever…

Vogais de uma canção

Que procuram lábios de abraço,

Há de haver

Um poema em construção,

Na minha mão

Há de haver uma nuvem a correr

Entre os sonhos de sonhar

E a vontade de haver…

Lágrimas de chorar,

Há de haver na minha mão

Um sorriso pregado no espelho de um olhar

Uma janela virada para o mar,

Há de haver uma mulher para amar…

Há de haver noite sem escuridão

E lençóis suspensos no luar,

Há de haver

Uma sílaba pendurada num papagaio de papel

E que se esconde no púbis da madrugada,

Há de haver uma vida para viver

Nas pedras da uma calçada…

Há de haver uma manhã pincelada de mel

Na garganta do amanhecer,

Há de haver

(e se deus quiser)

Um rio dentro de mim a crescer.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback