Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

27
Fev 16

Sentiria o corpo voar

Se não fossem as tuas mãos,

Chegou o momento de cortar todas as amarras,

Sentir a liberdade das palavras nos meus lábios…

Sentir a vontade dos beijos nos meus poemas,

Zarpar em direcção ao nada,

E com o nada digo tudo

Que com o tudo nada digo,

Inventar em mim os aviões da infância

E as coloridas paredes de uma casa abandonada,

Sentiria o corpo voar…

Se não fossem as tuas mãos,

A tua boca,

O teu perfume disfarçado de noite

Antes de regressar a morte,

Sentiria o corpo

Não sentindo o peso da atmosfera alicerçada nos meus ossos de papel,

Não sentido a madrugada suspensa no cortinado…

E lá fora

Os gemidos nocturnos dos incêndios de veludo,

Ir

Caminhar sobre as pedras esquecidas pela tempestade,

Comer os livros ainda não lidos

Porque estão mortos sobre a minha secretária,

Sentiria

Se não fossem as tuas mãos

O peso da lua,

Sentiria a claridade do sofrimento

A cada dia percorrido,

A momento desperdiçado escrevendo-te…

Sem sucesso,

Amar-te sem amar

Sentir sem sentir o esplendor do amanhecer,

Às vezes, pareço um menino em busca de uma praia

Com areia branca,

Às vezes, pareço um pedaço de aço atracado a um qualquer porto de mar…

E sentiria

As tuas mãos

No meu peito

Ao despedir-se a tarde.

 

Francisco Luís Fontinha

sábado, 27 de Fevereiro de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:13

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Os aviões da infância

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO