Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Querido Novembro

Francisco Luís Fontinha 24 Nov 15

Esta jangada que me transporta

Para os teus braços de alento

Sem água

Sem vento

Esta jangada morta

Na planície do pensamento

Espera o regresso da noite

Ergue-se no limiar da pobreza

Como se a beleza do corpo ardente

Fosse uma estrela em papel

Desfeita em pedacinhos

Na solidão fogueira…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

terça-feira, 24 de Novembro de 2015

O vento das canções de Outono

Francisco Luís Fontinha 16 Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Dizias-me que eras o vento das canções de Outono,

e eu, eu acreditei, escrevi palavras para essa canção...

desenhei beijos para os teus lábios,

dizias-me que te chamavas “menina do mar” de do mar... não eras nada,

nem onda, nem pôr-do-sol... nem jangada,

um dia fizeste-me acreditar que eras livro de poesia,

eu tentei, tentei ler, folhear... e não eras nada,

apenas uma esbranquiçada página com um palavra... “saudade”,

dizias-me que tinhas na mão a caneta das minhas palavras,

eu, eu sentia-a no meu rosto, como o vento das canções de Outono,

e eu, eu acreditei na tua pele com flores de papel,

e tudo o que me disseste... hoje, hoje escrevo-o na rocha embalsamada na montanha do “adeus”.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 16 de Março de 2014

a jangada com olhos castanhos

Francisco Luís Fontinha 19 Set 13

foto de: A&M ART and Photos

 

trazias nas mãos uma jangada com olhos castanhos

cansavas-te com o olhar das crianças

e dos pequenos botões de rosa

 

trazias dentro de ti um cubo de faces rosadas

dos pobres lábios ensanguentados pelo bâton uma lâmina de tristeza

absorvia a tua boca enlatada

como uma conserva

esquecida numa qualquer prateleira da despensa

 

sentia-te vociferar debaixo do sombreado fantasma

agarrado a uma pétala fotográfica

e a preto-e-branco

o fotografo vestido com sais de prata

alicerçava os pobres desejos da madrugada

 

(trazias nas mãos uma jangada com olhos castanhos

cansavas-te com o olhar das crianças

e dos pequenos botões de rosa)

 

e sabia-te enlouquecida quando te embrulhavas nas marés de areia

e corrias

e brincavas num corredor longo e estreito e alto

choravas parecendo a chuva desencadeada pelos sorrisos adormecidos

dos tristes minguados sonhos que a infância assassinou

 

trazias nas mãos a jangada da paixão

escrevias nos absolutos números complexos as amêndoas com chocolate

que o vento imaginava

e não sabendo que o cacimbo lhe pertencia...

ela adoptou como filha a doce menina equação diferencial

 

ela é a integral tripla dos seios loucos com voz de rascunho

sente no corpo o aparo da caneta de tinta permanente

acaricia-lhe as coxas como quando se folheia um livros de poesia...

e as palavras saltitam como gotinhas de suor na face alegre da Lua

ela é a integral que transporta na mão a jangada com olhos castanhos

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 19 de Setembro de 2013

Palavras frágeis

Francisco Luís Fontinha 5 Jan 13

A todas as palavras frágeis

que desenhei na tua boca

quero-as de volta à minha mão deserta

morta

 

confusa porque o meu coração

sente o silêncio das rochas mergulhadas no mar

um peito arde e esfumaça-se na lareira da saudade

como todas as flores que viviam nos jardins da Babilónia

 

arderam morreram simplesmente subiram aos céus

e encontraram

morta

A todas as palavras frágeis

 

que desenhei na tua boca

a louca

porta

que se esconde nos teus abraços lilases

 

poucas

como as jangadas que se suicidam no lago da amoreira

troncos finos de árvores cansadas

tombam

 

incham

e em ais sobejam dos lábios em poesia

sentia que sinto ainda as palavras poucas

nas frágeis manhãs de Primavera.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

Sobre o autor

foto do autor

Feedback