Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

16
Ago 14

Tracejadas línguas de fogo,

sinto as mandíbulas da solidão a alicerçarem-se ao meu peito,

há um cansaço travestido de silêncio que alimenta este corpo de madeira,

que anda à deriva no rio nocturno da dor,

os livros divorciaram-se de mim, os livros parecem tentáculos de sílabas agarradas ao meu pescoço,

não me deixam respirar,

eles não o permitem...

sentar-me junto ao areal das cornijas de cartão,

sorrateiramente escondo-me no quarto envidraçado,

onde habita uma gaivota de porcelana,

e há nas fresta da insónia crucifixos doirados, algumas telas embriagadas e néons apaixonados,

… não consigo levantar-me deste rio, e eu não sei como sair deste círculo cinzento...

 

Sou todo absorvido pelas janelas da paixão,

embrulhado ás línguas de fogo, pareço um caixão de zinco descansando na despedida,

há uma madrugada em fuga, há uma rosa embalsamada que chama por mim...

hesito,

vou...

não vou...

aprisionados marinheiros de vodka em revolta,

oiço a voz dos agrestes pinheiros balançando na montanha do amor,

hesito...

vou... não... não vou...

não quero,

desisto da poesia!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 16 de Agosto de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:36

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Línguas de fogo

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO