Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Amigos

Francisco Luís Fontinha 4 Mai 19

De todas as paisagens que visitei com prazer,

São os teus olhos a arder,

No meu rosto de sofrer.

 

São flores,

De todas as cores,

No meu jardim imaginário,

São flores,

São rumores…

Na cabeça do lampadário.

 

De todas as paisagens que visitei com prazer,

São palavras minhas no teu corpo de escrever,

São rosas a sorrir, são rosas a sofrer.

 

São gladíolos de papel,

Barcaça, batel…

De todas as paisagens que visitei,

São telas em pastel,

São o grito que pintei.

 

De todas as paisagens que visitei com prazer,

São livros para ler,

São amigos para conviver…

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

04/05/2019

Um tonto peixe procurando o amor debaixo das algas

Francisco Luís Fontinha 4 Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Lias-me nos esconderijos de cartão

quando a varanda voava sobre os olhos dos telhados de vidro

lias-me no reflexo do espelho vadio que habitava nas tuas mãos

e quando pegavas em mim

folheavas-me como se estivesses a saborear a manga adormecida

e acabada de ser escrita,

 

Lias-me como se eu fosse

sou

talvez... um pássaro apaixonado pelo vento

e pelas árvores comestíveis dos jardins da insónia

lias-me e eu não percebia que tinha palavras em mim

dentro do meu esqueleto de papel,

 

Lias-me como um tonto peixe procurando o amor debaixo das algas

e de verso em verso

descíamos as escadas da dor

embebia-te e embrulhava-te nas canções clandestinas dos rochedos de amar

vivíamos parecendo flores em plástico

que as doiradas abelhas comiam... e deixavas de pertencer à minha biblioteca,

 

Morrias

ardias na fogueira dos cigarros infestados pelas malditas ratazanas que habitavam a caserna tuas coxas...

morrias e lias-me como se não existisse amanhecer

madrugada

palavras reescritas nos teus silêncios seios com desenhos por pintar

e imagens escurecidas e inabitáveis nas nossas vidas...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Ele enlouquecido como o cio dentro dos peixes

Francisco Luís Fontinha 12 Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Ler-me-ás?

pergunto-me quando acordo, pergunto-me quando adormeço não dormindo, e percebendo que não te entendo, olho-vos no espelho do extremo oriente, subo sobre a cama, e à minha frente existe um velho guarda-fato, um espelho, engorda-me, dilacera-me e dizes-me que ontem havia um beijo suspenso na almofada que habita no cadeirão junto à estante dos velhos livros, cada um, uma personagem dentro dele, cada um, uma história cansada, velha, e os dentes de marfim do velhíssimo crocodilo em pau preto transportado do outro continente, atravessou o oceano, e no interior de algumas bicuatas... chegou intacto à mesa da sala de estar, anda por lá, deambulando como morcegos enquanto a noite come os sonhos das crianças nascidas em Angola, brinca, dorme, não consegue sonhar, e tantas vezes lhe oiço as palavras – O menino dá, mamã, o menino dá... - e as bolachas, aos pouco, entravam boca adentro com a ajuda de uma esferográfica, e quando acordávamos, ambos, via-mos nas paredes da sala as inscrições hieroglíficas que o tal menino tinha deixado,

Estupor, estrupício, e malandreco,

ler-me-ás? E quando acordávamos, ambos, a insignificante questão, olhava-te, e lia-te as poucas palavras que os teus olhos de cereja transpiravam, e perguntava-me

Ler-me-ás? Absorviam-nos as noites mal iluminadas, não dormíamos, não, e tínhamos medo das recordações também, elas, como as bicuatas, pequenas, tão pequenas que mal davam para encher um pequeno caixote de madeira, e tudo, em nós, pequeno, pequeno amor, pequenas palavras, e grandes dores, em pequenos peitos, com pequenos corações... ainda acreditas que o bicho consegue-se libertar das bolachas?

o miúdo crescido, enorme, não pequeno, vês? O miúdo atrofiado, chato, indigente, e insignificante como as pedras da calçada da Ajuda, não ajuda nada recordares-me que debaixo do rio havia garrafas de vodka estacionadas, sumo de laranja e gelo, por cima de nós, no andar superior, uma ponte em aço atravessava-nos, e como uma espada de areia, unia-nos os corpos separados anteriormente por uma onda gigante, tão gigante... que comeu metade da cidade e dos sonhos, tão gigante que nos obrigou a escondermos-nos debaixo do rio, entre garrafas e cadeiras em plástico, mesas também em plástico, e às vezes, tímidas, tremiam, dançavam como línguas de vento sobre a fogueira do desejo

Estupor, estrupício, e malandreco,

o corpo do texto, ele enlouquecido como o cio dentro dos peixes, “Liberation Serif” e de tamanho doze, o aquário de ti sobre o meu corpo ancorado ao travesseiro adormecido era literalmente içado pelo guindaste em desassossego que brincava, domingos à tarde, pelo desterro do abrigo a que chamavam de porto de mar, desembarcávamos depois de longas caminhadas e à nossa volta

Machimbombos em rotações milimétricas pelas mãos do avô Domingos, um pequenos cordel de fino cristal voava sobre as mangueiras despidas, sombreando-se-lhes pequenas cristas de galo desenhadas com os lápis de cor que alguém tinha adquirido numa superfície comercial num qualquer musseque da preferia da cidade, era noite, descia-nos como desejos esperando corpos nus, e o velho, cansado, entrava em casa como um petroleiro a entrar na barra e a fazer-se ao cais,

e umas das vezes foi estampou-se contra um dos candeeiros semeados no centro do passeio revestido com pequenas pedras e palavras...

Ler-me-ás?

claro que não...

 

(não revisto, ficção)

@Francisco Luís Fontinha

Sobre o autor

foto do autor

Feedback