Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

31
Mar 20

89233816_318373012454136_6579632371232931840_n.jpg

Os livros dançam na paixão da manhã,

Envidraçada tempestade de areia,

O menino, sorri,

Canta canções de areia,

Grita,

Chateia.

O menino no circo,

De livro na mão,

Escreve um sorriso,

No chão,

Brinca, brinca com o livro de areia,

Não grita,

Agora,

Mas chateia.

O menino dos calções,

Correndo junto ao rio,

Em cio,

Em cio como as lâmpadas de néon.

Vende livros à porta da igreja,

Arrecada uns tostões,

Vai para o mar,

De bandeira na mão,

Deita-se na areia,

Já não chateia,

O menino dos livros,

Enquanto as gaivotas cantam,

E também elas gritam,

Canções de areia.

O menino está calmo,

Sereno com a tempestade,

Brinca, brinca na saudade,

Sem perceber,

Que nos livros,

Onde quer escrever,

Já não sonham;

Apenas brincam em canções de areia…

Nas canções de sofrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

31/03/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:18

29
Mar 20

90028111_1586626108157212_5013121132522373120_o.jp

 

90185457_3467861076564667_2273212952960040960_o.jp

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 10:51

16
Fev 20

86665335_3393221347361974_6194640659689766912_o.jp

Negrito, negrito,

Grito,

Gato,

To,

Miau.

Negrito,

Passeia-se pelo destino,

Desenha no pavimento,

Um grito,

Ou silêncio de menino.

Negrito, negrito,

Quando o cansaço acorda,

Corda,

No pescoço do periquito.

Negrito, negrito,

Assobio,

Matinal alvoroço,

Em fastio,

O tio,

Demãos no bolso.

Negrito,

Negrito, pois então,

Calma, calma companheiro,

Que ele, o gatito,

Não é difícil de passar a mão.

Ai, negrito,

Então, pois, é negrito…

Finge-se de morto,

Morto morrido,

Gato, gato vadio,

Vadio de ter sentido,

No pulso,

Nas mãos,

A espingarda da loucura,

Dura, negrito, dura,

Sem perceber que há um grito,

Uma palavra na ternura.

Negrito, negrito,

Negrito,

Guito,

Guito.

Negrito.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

16/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:17

09
Fev 20

A rua deserta, imune ao silêncio das pedras,

O cansaço das árvores, quando desce sobre a terra a soldão nocturna das acácias em flor,

Um automóvel vomita lágrimas de fumo,

Uma criança brinca na sombra dentada da tarde,

E, mesmo assim, as flores dormem nos abstractos muros da insónia.

É tarde,

O relógio emagreceu com o tempo,

A tempestade de areia, silenciada pelas pedras em silêncio,

Que a madrugada faz florescer,

Acordam as trombetas,

As árvores, tombam à sua passagem,

Como soldados rebeldes,

Como espingardas revoltadas,

Com os homens,

Como os homens.

A noite alicerça-se aos candeeiros do medo,

Como as pedras do silêncio na manifestação junto ao rio,

A revolta contra a noite,

As nuvens emagrecidas, tontas, derramas as suas lágrimas nos arrozais,

Sem em delírio, sempre em manifestação, os homens, as mulheres,

Contra o silêncio das crianças,

Que brincam,

Que brincam na eira do milho amarelado pelo cacimbo,

O cão lateia, chama pelo dono,

Ao fundo,

A aldeia em chamas, lágrimas de prata,

Quando toda a cidade envenenada pela amargura,

Sente, sofre, a desgraça da ditadura…

Como é lindo ser pedra em silêncio,

Lápide ao cair da noite,

Palavras mortas,

Palavras tontas,

Que o menino escreveu, nas paredes da fragrância, deixando ao acaso, um caderno assassinado pelas quadrículas lamentações.

O tempo se esquece,

O almoço na mesa,

A fome de palavras, dos livros enamorados pela madrugada.

Sinto. Sinto-te neste labirinto de insónias.

Ao deitar, todas as drageias.

Que as areias alimentam.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

09/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:45

02
Fev 20

E, agora? O que será de nós depois da saudade;

Pertenciam-lhe as palavras invisíveis das marés de prata.

A boca mergulhava na ínfima madrugada do silêncio,

Descia à cidade, quando acordava a noite,

Pegava num pedaço de sombra,

Agachava-se no pavimento húmido da solidão…

E, gritava palavras de amor.

E, agora? Que a tempestade regressou de ontem,

Traz consigo os dois cansados cadáveres da única memória que lhe restava,

Os homens entre guerras e coisas simples, banais,

Percorriam as ruelas sem saída, suspendiam pinturas nas janelas do horror,

Para que as crianças conseguissem adormecer,

Nesta cidade de “merda”, sem dormitórios, sem palavras abstractas,

Que pertencem aos livros de poesia.

O corpo arrefece sobre a lápide fria da manhã,

O silêncio vem em direcção ao peito,

Como uma flecha, e, o sangue corre para os canaviais…

Tinha medo da saudade,

E, agora?

O que será de nós, depois da saudade, quando alguém procura o corpo amachucado pela violência dos gritos do homem de chapéu negro,

Seu nome Chapelhudo, vestido de pássaro nocturno,

Quando as palavras emergem e, tudo à volta morre, extingue-se em finíssimos pedaços de carvão,

O desenho acorda,

Mergulha na tela da saudade,

Sempre ela, a saudade dos dias, da noite, dos candeeiros a petróleo…

E, agora? Nada.

Apenas um sorriso,

Flácido,

Triste,

Porque sim;

Cansado da vida.

Chapelhudo, morre. E todas as palavras do menino branco.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

02/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:04

26
Jan 20

As árvores deste jardim cansado,

Onde adormece o silêncio das palavras assassinadas por mim,

Há um luar desiludido,

Que grita às planícies do alecrim,

O poema desejado,

Entre versos e ossos embalsamados,

Vem a esta casa, o miúdo perdido,

Das montanhas húmidas,

A voz que alicerça a fome,

A rua que limita o olhar,

Sem nome,

Sem mar,

As árvores distintas dos pássaros, o medo de dormir,

Numa cama de pétalas encarnadas,

Nas veias, o orgasmo do cobalto,

A madeira envernizada,

Porque as lágrimas,

No rosto se perdem,

E fogem para o triste adormecer,

O vulcão quase a vomitar palavras de nada,

Sempre em alerta, sempre abandonada,

A casa,

O ódio madrugada da vida,

Entre correr,

Entre morrer,

Simples, assim,

Simples, simples, nada esquecer.

O mendigo que corre na calçada,

Desejado por uns, amaldiçoado pela namorada,

Escreve-me,

Oiço-o,

Na alvorada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

26/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:17

25
Jan 20

Percorro estes montes de ninguém,

Na ausência do prometido poema,

Cansaço da madrugada,

Quando alguém me chama,

Me grita,

E me acena;

Triste é esta calçada,

Onde habito sem memória,

Sem história.

Na noite desgarrada,

Escrevo, pinto, o teu retracto,

Passeio-me pelo infinito amanhecer,

Sem perceber,

Que nas minhas palavras,

Vivem os esqueletos malvados,

Sem sono,

E, alicerçados,

Às palavras vãs,

No bosque,

As árvores, o silêncio da luz,

Que me traz a saudade.

Pinto,

Sinto,

Que todas as sílabas,

São balas assassinas,

Munições de esperança,

Quando acorda a noite.

Sabes?

Amanhã serão apenas sombras,

As tuas palavras,

Que alimentam a madrugada.

O silêncio da luz,

Nas mãos do poeta…

Perde-se,

Vive-se,

De quê…?

Sempre que amanhece,

Neste corpo zangado,

Filho e filha,

Passeando por aí…

Passeando ausente,

De mim,

E, de ti.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

25/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:08

22
Jan 20

Deus, não gosta de mim.

Os pássaros, criados por Deus, também não gostam de mim.

Não acredito em Deus, nem nos pássaros criados por Deus.

A tempestade, em mim, costuma ser passageiras,

Alguns segundos, ventos ciclónicos, e chuva miudinha…

Também ela, obra do criador.

Debato-me com o trágico sentimento de perda,

Quando as palavras se ausentam,

Quando os livros, recheados de palavras, também se ausentam.

Deus, não gosta de mim.

Pudera.

Se não acredito em Deus, também ele, não deve gosta de mim, acreditar em mim,

Mas, não preciso que alguém acredite em mim,

Os desenhos acreditam em mim?

Os desenhos criados por Deus, que me criou, e eu duvido.

A cidade ferve,

A moça corre apressada para os braços de Deus,

Abraça-a, beija-a, como se amanhã existisse uma ribeira fora do leito, em direcção ao mar.

Deus criou as palavras,

Os versos,

A mentira,

A despedia,

A morte,

A rebeldia…

Deus, parece-me indiferente às palavras, palavras criadas por Deus.

O campo, ao longe, verdejante, desparece nos lábios de Deus…

E, os pássaros, filhos de Deus, à procura das abelhas,

Picam-me,

Aleijam-me,

Mas nada é mais doloroso que a morte.

A morte, a má-sorte, e companhia limitada,

STOP,

Em frente, marcha,

Cruzamento,

GNR ao comando,

Automóvel desgovernado,

Nas mãos de Deus.

IRRA.

Não.

Não. Ponto.

Palavras. Mortas. À nascença.

Deus, Deus é Deus, criado por Deus.

FIM.

Tudo ao molho e fé em Deus.

Todos os homens, são pássaros?

E os pássaros?

São homens?

E o burrinho?

Que faz o burrinho dentro do poema?

Porque hoje é 22 de Janeiro,

Porque Deus criou o calendário…

Não.

Não.

Talvez amanhã!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

22/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:21

12
Jan 20

(lavar a loiça, coisa e tal, arrumar a cozinha… decididamente, não tenho muito jeito para isto; sou melhor na poesia)

 

 

As cobras que habitam o meu jardim,

São silêncios de solidão,

São palavras suspensas na minha mão,

Dos livros absorvidos por mim.

As cobras que habitam o meu jardim,

São nuvens de espuma,

Brancura da vida,

No mar da despedida.

São transeuntes embriagados,

Ninhos de pássaro abandonados,

As cobras que habitam o meu jardim,

São a esperança de viver,

Estar calado,

Quando a Primavera acordar,

Sorrir,

E caminhar sobre os parêntesis do cansaço.

As cobras,

Que habitam o meu jardim,

São flores amestradas,

Papoilas envenenadas,

Pela geada,

Pela sombra da calçada.

As cobras,

Que habitam,

O meu jardim,

São lágrimas.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

12-01-2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:19

09
Jan 20

O corpo envergonhado pelo cansaço do amanhecer.

A tristeza das árvores que sombreiam o corpo envergonhado pelo cansaço do amanhecer.

As flores que atropelam o corpo envergonhado pelo cansaço do amanhecer.

As cinzentas cidades que abraçam o corpo envergonhado pelo cansaço do amanhecer.

O corpo envergonhado,

Atropelado,

Pelo cansaço do amanhecer.

O sangue que ilumina o corpo,

Circunflexa paixão,

Quando ardem as nuvens,

Cansadas do amanhecer.

O corpo vergado pela solidão,

No cansaço do amanhecer.

As mãos que sustentam o corpo,

Cansado pelo amanhecer.

O frio que beija o corpo,

O amanhecer cansado nas lâminas do corpo,

Que envergonhado pelo cansaço do amanhecer,

Chora,

Grita,

Morre,

Sem alma,

Sem vida,

Sem palavras,

O corpo uiva,

Levita…

No cansaço do amanhecer.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

09-01-2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:05

Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
16
17
19
20

22
23
24
25
26
27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO