Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

As palavras estonteantes que prenunciavas na minha ausência

e eu sem o saber acreditava em sonhos de infância

e cidades de vidro

e noites com lâmpadas mágicas vestidas com livros de poesia

e manhãs de quinta-feira pobres ou doentes ou quase nada,

 

De mim

quando sinto o meu corpo rolar sobre as rochas de insónia

e mergulhar no líquido viscoso dentro de uma conduta de cerâmica

oiço-os e sei que me perseguem

como cães raivosos provenientes das catacumbas do prazer,

 

Às palavras sem o destino perfume dos cinzentos fetos despidos como as ervas daninhas

quando caminham pela floresta do medo

sei que eles me perseguem

e que nunca me encontrarão porque há muito me sinto morto

longe deste silêncio disfarçado de felicidade...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:24

Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
17
18

21
23

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

A Floresta do Medo

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO