Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Noites de desassossego

Francisco Luís Fontinha 15 Abr 19

Flor do meu jardim,

Palavras do meu verso,

Página do meu livro,

Vento que amachuca o meu corpo,

E folheia o livro que és tu…

Nuvem minha paixão,

Tempestade do deserto,

Pôr-do-Sol do meu sonhar,

Nos finais de tarde junto ao mar.

Papel onde escrevo,

Retracto do meu espelho…

Flor do meu jardim,

Nas noites de desassossego.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

15/04/2019

Menina do meu saber

Francisco Luís Fontinha 13 Abr 19

Menina do meu saber,

Endiabrada e a correr,

Menina do Douro encurvado,

Que chora sem querer…

Menina mimada, menina das tardes a chover,

Menina cansada,

A chorar,

Neste rio deitada,

A correr para o mar.

Menina da ribeira,

Dançando sobre o amor,

Palavras escritas no vento,

Deste corpo suicidado,

Menina das flores e do amar…

No pensamento,

A mão lançando a espada,

Dos livros, de nada…

Menina em flor,

Meninada apaixonada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

13/04/2019

O fogo da paixão

Francisco Luís Fontinha 12 Abr 19

Sento-me no patamar e lanço pedras socalco abaixo,

Ao fundo, o rio, encurvado, entre rochas e rochedos,

Vinhas e vinhedos,

Como o paraíso da minha infância.

Deitava-me debaixo das mangueiras e sonhava com palavras,

Desenhava na terra o silêncio de um menino, apaixonado pela Lua…

Adormecia,

Dormia até que a tarde se levantava e fugia.

Como eu era feliz naquela altura.

Hoje, sou carrancudo, embrulhado na solidão,

Sou mendigo,

Triângulo,

Foguetão.

O mar vinha visitar-me todas as tardes,

Construía papagaios em papel colorido…

E em frente ao quintal, na rua deserta, corria,

Corria, até que o papagaio se elevava no Céu de Luanda e desaparecia,

Morria, pensava eu…

Com o cordel na mão.

Depois veio a paixão,

Apaixonei-me pelas palmeiras da Baía…

Por aviões e barcos,

Apaixonei-me pela saudade,

Que hoje bate em mim.

O fogo,

A água que adormece o fogo…

Na laranja da loucura.

Durmo, não durmo, durmo, não durmo…

Como o amor,

Encurralado no deserto, recheado de areia branca que só conheci no Mussulo,

E era feliz.

Hoje, hoje sou um fantasma, um mendigo à procura das palavras da infância…

Que nunca mais as encontrei,

Apenas fotografias,

Apenas, pai…

Fotografias.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

12/04/2019

O cacifo do 44

Francisco Luís Fontinha 11 Abr 19

Toquem os sinos e anunciem a minha partida.

Cada charco no pavimento é um poema sem nome,

Metáforas…

As palavras são pequenas gotículas do teu suor,

O alimento preferido da paixão,

E dos livros, e dos violinos, vomitam-se melódicos sons que abraçam socalcos.

Pareço um louco transeunte desorganizado, sem apeadeiro,

E, no entanto, atraco a minha barcaça às tuas mãos de fada.

(enquanto escrevo, oiço Doors)

Toquem, toquem todos os sinos que eu vou fugir,

Levo a minha barcaça,

E em terras longínquas vou procurar o amor…

Nada levo.

Apenas preciso de cigarros, cigarros e cachimbos.

Cada charco no pavimento é um poema sem nome,

Uma alma penada,

(como se eu acreditasse em almas, muto menos, penadas)

Palerma.

Palhaço.

O circo regressa sempre na Páscoa…

Espero-te, aqui, sentado, nesta pedra de xisto invisível.

E quando eu morrer, não quero fato e gravata e sapatos pontiagudos,

Não, não quero flores do teu jardim,

Não, não quero a presença do Senhor Abade…

Quero ir só.

Como sempre fui…

Só.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

11/04/2019

Morre-se de quê?

Francisco Luís Fontinha 5 Abr 19

Das lágrimas do mar de rosas,

Nasceram os teus olhos de Primavera.

Dançam as andorinhas sobre a poeira tarde,

Como palavras brincando com o vento.

Das lágrimas do mar de rosas,

Obtenho o silêncio dos teus lábios,

Tão belos, no chão desenhados,

Na eira brinco com o papagaio de papel,

Corro, corro, corro sem parar,

E abraçar,

O teu corpo,

De silício.

Grito pelo mar,

Sempre ausente de mim,

Eu que vivi,

Sobre o mar,

Sobre o vento,

E hoje, pareço um transatlântico traumatizado pelas ondas melódicas da noite,

O profano,

O homem da paixão,

Que por engano,

Que por medo,

Diz não,

Diz não.

Das lágrimas do mar de rosas,

Nasceram os teus olhos de Primavera.

Pego na tua mão de porcelana,

Acaricio o teu rosto de cristal,

E no final da tarde,

À hora do lanche,

Ofereço-te um beijo,

Sem perceber,

Que habita em mim o Oceano teu desejo,

São os livros, meu amor,

São os livros que que alimentam a paixão.

 

Morre-se de quê?

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

05/04/2019

Borboletas em papel

Francisco Luís Fontinha 2 Abr 19

Borboletas no meu velório,

Apenas borboletas,

Ninguém,

Ninguém à minha espera,

Comigo, morreram as palavras,

Todos os livros, machos e fêmeas,

Segunda-feira ou Terça-feira?

O xisto amarfanhado pelo silêncio da poesia,

As frases afundaram-se nas tuas mãos,

Como gaivotas em cio.

O poço,

O cheiro nauseabundo dos velhos livros,

Abraçados a mim,

Tenho um corpo de merda,

E uma rua dentro de mim, sem nome, sem casa, sem nada…

Dormir,

Não durmo,

Comer…

Não como nada.

Peço aos amigos, a todos, paciência,

Nada mais do que isso,

Nem flores,

Odeio flores e odeio o teu sorriso,

Odeio o mar e o todos os rios…

São recheados de falsidade,

Como tu, pobre pomba poisada no meu ombro,

Dormir,

Não durmo,

Comer…

Quase nada.

Borboletas em papel,

Sombras em pastel,

Telas esbranquiçadas com lábios de suor…

É esta a minha vida,

Embrulhado em palavras,

Dormindo,

Não dormindo,

Dentro das sílabas assassinadas.

Despeço-me, e do cimo do monte…

Enterro o teu nome,

Escrevo na terra…

Amo-te, não te amo, amo-te… só quando nascer a noite.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

02/04/2019

...

Francisco Luís Fontinha 21 Mar 19

Sabia que a noite trazia o perfume da luminosidade das praias em flor, sobre a secretária, uma simples folha de papel, uma caneta de tinta permanente e um copo inventado, com uísque, também inventado, e duas pedras de gelo,

Posso?

Detesto que batam à porta do escritório, aborrece-me, não me dá prazer, enquanto brinco com as pedras de gelo, e me interrompem,

Posso?

Porra.

Entre.

Sempre a mesma coisa, que os pássaros, durante a tarde, não poisaram no nosso jardim…

Mulher chata!

Enquanto derretia o gelo, no uísque inventado, dentro do copo inventado, semeava palavras sobre a folha de papel, alguns livros, não muitos, olhavam-me e pareciam que queriam comer-me,

Já imaginaram alguém ser comido por um livro?

Posso?

Porra.

Entre.

O sono cansado, a cama ainda por fazer, o jantar ficou em cima da mesa-de-cabeceira, como alguns livros que dormem por lá… e, tinha entre os dedos, finíssimos tons de cinza, resultado dos dias sem dormir,

Detesto,

Jardim,

Posso?

Não. Não podes…

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 21/03/2019

O silêncio.

Francisco Luís Fontinha 18 Mar 19

Entre as mulheres, o crucifixo da paixão,

As sílabas na rebelde tarde poeirenta,

Esperando o regresso do rio Doirado.

As palavras milagrosas, nas mãos do peregrino,

As lágrimas, tenebrosas,

No rosto do pobre menino…

Escrevo-te esta canção,

No papel pardo, que alimenta,

E respira,

O meu corpo cansado.

E, o vento me atira,

Todas as pedras da montanha,

Ninguém me apanha na escuridão…

Sofro, a morte aparece suspensa nas paredes da aldeia,

Tenho uma ideia,

Um dia, um dia deitar-me no chão,

E sonhar-te enquanto caminhas em direcção ao mar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 18/03/2019

Âncoras de desassossego

Francisco Luís Fontinha 6 Mai 18

Tinhas nas mãos os ossos enraivecidos da solidão,

Dos teus olhos desciam as palavras que eu escrevo no teu corpo; quando me escondo de ti na madrugada.

Tinhas nas mãos as sangrentas areias do deserto,

Poisavam livros nas tuas coxas, e do Luar regressava a nuvem da lamentação,

Uma lágrima chorada no teu rosto,

A alma desinquieta que atormenta os ventos nocturnos,

Como pequeníssimos papéis perdidos nos teus dedos.

Assim… ao deitar.

 

Sonhava com rugas, pedras e enxadas,

Rasgava a terra bolarenta dos segredos muros de xisto,

E, todas as manhãs, tinhas nas mãos a aurora neblina suspensa na janela do sonho.

 

Tinhas nas mãos a alavanca mecânica, o martelo e a minha dor…

 

Entre as penas dos melros brincando no meu jardim,

A sucata dos dias transformados em madrugada,

E os barcos, lá longe, vomitando âncoras de desassossego.

 

Perdi-me em ti, sabes?

 

Tinhas nas mãos a ânfora caminhada dos trilhos desenhados numa rocha,

Os santos em rebeldia nos altares das capelas,

O silêncio,

As pedras, os sargaços, e outras velharias…

 

Tinhas nas mãos o meu rosto…

 

E nunca percebi a claridade dos teus lábios.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 6 de Maio de 2018

O silêncio amanhecer

Francisco Luís Fontinha 25 Mar 18

Podia ser o mar,

Suspenso no teu corpo amanhecer,

Na palavra escrita, o silêncio amar,

Que grita,

Após a partida da alvorada.

O poeta embrulhado no escrever,

Como uma amante,

Que das lágrimas de chorar…

Não consegue ver,

Nem sente,

O silêncio escurecer.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 25 de Março de 2018

Sobre o autor

foto do autor

Feedback