Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

26
Ago 12

fundem-se as lâmpadas do incenso

e uma mão de criança esboça um sorriso nas lápides do amor

olho-te imaginando o teu corpo coberto de poemas de óleo de coco

e sílabas de desejo

dentro do vulcão da noite impossível de regressar

aos teus lábios imaginando

olho-te do destino pintado de vermelho

com rosas de papel

e olhos de mel

e sobre o mar húmido do teu púbis

os barcos atravessam a barra

e desaparecem na neblina da solidão

 

(na tua boca sou apenas um louco)

 

na minha boca

serás a seiva rainha das árvores imaginárias que crescem nas tuas mãos

quando dos fins de tarde

desce a brisa e poisam nos livros as carícias e as medusas e os pigmentos de luz

à janela da tua pele

sem destino marcado

 

(na tua boca sou apenas um louco)

 

um pequeno desgraçado

uma nuvem desenhada numa manhã de tempestade

na tua boca um louco

eu à procura das palmeiras sem saudade

no mar adormecido do Mussulo

e nunca mais regressaram

porque é impossível regressar

ao teu corpo coberto de poesia de óleo de coco

e sílabas de desejo

o louco

imaginando estrelas de algodão no tecto do silêncio

(na tua boca sou apenas um louco).

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:09

Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
17
18

21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

sem destino marcado

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO